Incêndio entre Zamora e Portugal destrói 2.000 hectares

O primeiro grande incêndio florestal de 2022, que eclodiu na madrugada de sexta-feira na fronteira entre Portugal e a província de Zamora, no noroeste, já não tem chamas e abrange cerca de 2.000 hectares de acordo com as primeiras estimativas feitas via satélite a partir dos focos.

O fogo acabou na tarde deste sábado, fazendo com que os extintores mobilizados desde sexta-feira pelo Ministério da Transição Ecológica e do Desafio Demográfico (Miteco) se retirassem da área até às 18h de sábado, informaram fontes da operação de extinção.

Apesar disso, o corpo de bombeiros da Junta de Castilla y León alertou que, embora o fogo não tenha se incendiado desde o início da tarde, é considerado ainda ativo e classificado como nível um em uma escala de risco ascendente que vai de zero. a três.

O incêndio começou por volta das 4h00 de sexta-feira, sem que a causa tenha sido provisoriamente determinada, no Parque Natural de Montesinhos, num mato português junto à fronteira com o concelho de Zamorano, Hermisende.

A força do vento e a secura do terreno fizeram com que as chamas avançassem rapidamente nas primeiras horas, atravessando a fronteira e entrando numa zona de matos, matos e alguns pinhais repovoados em La Tejera, distrito de Hermisende.

A ação dos extintores e a evolução do incêndio obrigaram a fechar o trânsito nas primeiras horas da estrada provincial ZA-L-2698, que liga La Tejera a Hermisende, San Ciprián de Hermisende e Castromil. a fronteira com Portugal.

Durante o dia deste sábado, dois helicópteros da Junta de Castilla y León, dois aviões anfíbios de alta capacidade da Miteco e dois meios aéreos portugueses responderam ao incêndio.

Da mesma forma, dois agentes ambientais, dois postos de controle de máquinas, um caminhão de bombeiros, uma equipe de terra, outro especialista em combate a incêndios e duas brigadas de trabalho preventivas também trabalharam no lado espanhol do incêndio.

Este é o primeiro grande incêndio do ano na Espanha, nome usado para catalogar incêndios florestais com mais de 500 hectares.

As áreas afectadas são maioritariamente mato e vegetação rasteira, embora também existam áreas de pinheiro repovoado e alguns castanheiros.

Devido à ausência de chuva nas últimas semanas e ao vento, apesar das baixas temperaturas nocturnas destes dias no final de Janeiro, o fogo alastrou-se rapidamente e dividiu-se em várias fontes, dificultando a sua extinção.

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.