Igreja portuguesa cria comissão para investigar abusos sexuais | Sociedade

A Igreja de Portugal examinará a sua consciência. A Conferência Episcopal criará uma comissão para investigar casos de abuso sexual que membros do clero possam ter cometido no passado. Durante o anúncio do lançamento deste estudo “histórico”, o presidente dos bispos portugueses, José Ornelas, assegurou esta quinta-feira que a Igreja “não tem medo, muito pelo contrário” dos resultados que possam surgir durante a investigação. . O anúncio representa uma mudança radical da posição que a instituição mantinha até agora, que minimizava o impacto em Portugal para alguns casos.

Ornelas prometeu que a comissão terá “independência” para aprofundar seu trabalho e que os bispos encarem esse processo com “honestidade”. “Se houve encobrimentos no passado, também os abordaremos”, disse ele. “Há absoluta unanimidade entre os bispos portugueses sobre o desejo de agir com transparência e coragem para enfrentar as devidas consequências”, acrescentou. Ornelas, que é bispo de Setúbal, explicou que o método de trabalho e o calendário serão determinados pela própria comissão, cuja composição ainda não foi decidida. Ele prometeu, no entanto, facilitar o acesso aos arquivos diocesanos.

O anúncio da Conferência Episcopal, feito após a assembleia plenária que reuniu durante vários dias os bispos de 21 dioceses em Fátima, surge pouco depois da petição pública lançada por 241 católicos de diversas áreas – alguns deles de relevância pública como o magistrado Rui Cardoso ou a escritora Margarida Pereira Müller – para abrir uma investigação nacional independente sobre os abusos sexuais cometidos na Igreja nos últimos 50 anos. O caso mais recente que veio à tona envolve um padre da diocese de Viseu, que foi suspenso das suas funções enquanto investigava a denúncia da família de um menor de 14 anos, que recebeu mensagens de conteúdo sexual enviadas pelo religiosa, segundo o jornal Público.

Em 2020, a Conferência Episcopal Portuguesa criou comissões diocesanas para a proteção de menores, que contam com especialistas de diversas áreas e às quais podem ser apresentadas queixas específicas. A decisão de lançar uma comissão que traçará o passado, no entanto, é um passo mais retumbante para reconhecer as vítimas e expor tanto os abusos cometidos quanto as cumplicidades que contribuíram para silenciá-las.

A iniciativa portuguesa é conhecida logo após a divulgação dos resultados da investigação realizada em França pela Comissão Independente sobre Abuso Sexual na Igreja (Ciase), que revelou que 330.000 menores foram agredidos desde 1950 no país, e em na mesma semana em que a igreja francesa anunciou que venderá bens para indenizar vítimas de violência sexual. Esta comissão foi criada a pedido da Conferência Episcopal Francesa. Bélgica e Alemanha são outros países onde o passado da Igreja em relação ao abuso sexual também foi examinado. Na Espanha, até o momento, a Igreja continua se recusando a abrir um processo de investigação independente para descobrir a extensão da pederastia dentro da instituição no passado.

Se você souber de algum caso de abuso sexual que não veio à tona, escreva-nos com sua reclamação para maus@elpais.es

Chico Braga

"Web enthusiast. Communicator. Annoyingly humble beer ninja. Typical social media evangelist. alcohol aficionado"

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.