Guerra na Ucrânia, ao vivo de última hora | Zelensky estima o número de soldados ucranianos mortos na invasão em 1.300 | Internacional

O que aconteceu nas últimas horas após a invasão das tropas russas na Ucrânia?

No 17º dia da guerra que a Rússia iniciou contra a Ucrânia, estes são os dados mais importantes para sábado, 12 de março, às 20h:

Borrell: “Continuaremos a fornecer armas à Ucrânia tanto quanto pudermos.” O Alto Representante da UE para os Negócios Estrangeiros, Josep Borrell, assegurou este sábado que o equipamento militar será fornecido à Ucrânia tanto na Europa como nos Estados-Membros e que a Rússia será pressionada por todos os meios para acabar com a sua invasão do território ucraniano. “Continuaremos a fornecer armas o máximo que pudermos. Sem essa ajuda militar, a Ucrânia dificilmente poderia continuar resistindo”, disse Borrell ao EL PAÍS.

1.300 soldados ucranianos foram mortos desde o início da invasão. Cerca de 1.300 soldados ucranianos foram mortos desde o início da invasão russa em 24 de fevereiro, em comparação com 12.000 soldados russos, segundo o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, em entrevista coletiva realizada neste sábado em Kiev. “Cerca de 1.300 de nossos soldados morreram e a Rússia perdeu cerca de 12.000. Um em cada dez. Não estou feliz que 12.000 deles tenham morrido”, disse o presidente ucraniano.

Sete civis mortos no sul da Ucrânia. A Ucrânia acusou a Rússia no sábado de atacar um comboio que evacuava civis da cidade de Peremoha, no sul de Odessa, na região de Odessa, onde as campanhas de bombardeio estão sendo realizadas, para tentar controlar o Mar de Azov. O atentado matou sete pessoas, incluindo um menor que viajava por um corredor humanitário mutuamente aprovado. “Após o ataque, as forças de ocupação forçaram o resto da coluna a retornar a Peremoha e impedi-los de deixar a cidade”, disse um comunicado dos serviços de inteligência ucranianos.

Biden aprova US$ 200 milhões em armas e ajuda à Ucrânia. A Casa Branca anunciou no sábado um carregamento de US$ 200 milhões em armas para a defesa da Ucrânia. A decisão segue pedidos urgentes de ajuda do presidente ucraniano Volodimir Zelensky, que se encontrou com Joe Biden na sexta-feira.

Macron e Scholz acreditam que Putin não quer parar a guerra. O presidente francês Emmanuel Macron e o chanceler alemão Olaf Scholz conversaram neste sábado com o presidente russo, Vladimir Putin, sobre a guerra na Ucrânia. Putin disse que continua “determinado a alcançar seus objetivos”. Macron e Scholz, segundo uma fonte do Palácio do Eliseu, insistiram que “as ações dos militares russos devem ser interrompidas” ou que as sanções contra a Rússia serão reforçadas.

A Ucrânia está pronta para negociar, mas não aceitará ultimatos. O chanceler ucraniano, Dmytro Kuleba, assegurou neste sábado que o país está pronto para negociar o fim da guerra iniciada há duas semanas pela invasão da Rússia, mas não vai desistir ou aceitar um ultimato: “Vamos continuar lutando. Estamos prontos negociar, mas não vamos aceitar e desistir de um ultimato.Kuleba acredita que a Rússia está fazendo exigências “inaceitáveis”.

Na foto de Nacho Doce, uma mulher caminha entre as barreiras antitanque em uma rua de Odessa neste sábado.

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.