Grande Prémio de Portugal 2022 – D3: Bastareaud, dinheiro frustrante

Se até então, este primeiro Grande Prêmio do ano – atualmente existem apenas dois programados para 2022 – havia sido dominado por europeus (e particularmente croatas) é finalmente a Coreia do Sul que lidera toda a armada do Velho Continente no fio! Com três dos cinco títulos em jogo neste domingo, o país de Matin Calme, que começa do zero ou quase depois de uma campanha olímpica decepcionante (apenas três medalhas, prata para Cho e bronze para Ans) decidiu, portanto, lançar sua Olimpíada perto de Almada, em Portugal. Com vinte e três lutadores, o país da lenda Jeon Ki-Young (agora responsável pela arbitragem mundial com Daniel Lascau) classifica sete mulheres (de doze) e quatro homens (de onze) para um total impressionante de nove medalhas! Neste domingo, Kim Minjong, 21, medalhista de bronze sênior mundial em 2019 em +100kg, coloca uma incrível sequência de uchi-mata/kata-guruma no japonês Yuta Nakamura para uma segunda vitória no Grand Prix. Por sua vez, Yoon Hyunji (27), quinto em Tóquio no verão passado em -78kg, conquistou seu primeiro título neste nível, batendo a italiana Alice Bellandi – na categoria – em um forte ura-nage.

Bastareaud, acabamento truncado

Finalmente em +78kg, Kim Hayun, vice-campeão mundial júnior 2019 e terceiro no campeonato asiático 2021 bate, em uma faminta categoria de seis lutadoras (!) a francesa Stessie Bastareaud por hansokumake. Mão esquerda no reverso com o braço estendido, a coreana viu o Habs tentando montar seu braço direito de fora em uma das primeiras ações da luta. A pressão foi então colocada no cotovelo do asiático. Waki-gatame? Os supervisores pensavam assim. Medalha de prata, portanto, para Bastareaud, dispensada das quartas de final contra a croata Ivana Marinic. Na semifinal, muito móvel, o Habs fez duas vezes um o-soto-makikomi contra o mongol Adiyasuren Amarsaikhan, 25e mesmo assim, sétimo em Paris e segundo em Baku no outono. Duas lutas por Bastareaud, 68e na lista do ranking esta manhã, vitorioso esta temporada do Aberto da Europa na Bósnia e da Copa da Europa na Croácia e que, portanto, somará 490 pontos de uma só vez.
Os dois -78kg do dia, Habi Magassa (PSG Judô) e Marie Fernandez (FLAM 91) não tiveram um empate fácil. Uma intuição confirmada para estes dois jovens lutadores, claramente derrotados pela polaca Beata Pacut, atual campeã europeia, e pelo israelita Inbar Lanir, terceiro em Paris e Abu Dhabi e prata em Baku.
Entre os homens, os dois recentes campeões franceses Joris Agbegnenou (-100kg, JC Chilly-Mazarin Morangis), incentivados por sua irmã nas arquibancadas, e Guerman Andreev (+100kg, Nice Judo) terminaram ambos em sétimo lugar. Note-se que foi para o “irmão de” a sua primeira saída internacional em seniores. Uma experiência definitivamente gratificante.
Uma equipa francesa que acaba assim com quatro medalhas (prata para Bastareaud e bronze para Bérès, Vieu e Gaba). Seis das nove mulheres são classificadas, contra quatro dos nove homens. Um recorde que coloca a França em décimo segundo lugar com um grupo muito jovem e, para a maioria, descobrindo esse nível de oposição.

Fonseca, que espetáculo!

Sexta-feira, a sala tinha vibrado sob Catarina Costa. Hoje, o showman Jorge Fonseca, atual campeão mundial e medalhista olímpico, incendiou-o. Quatro lutas, quatro ippon, sendo a última contra o jovem suíço Daniel Eich numa sequência de o-soto-gari/morote-seoi-nage que desdobrou o suíço de costas em menos de um minuto de combate. Quente, o português foi tão extrovertido como sempre para oferecer ao país anfitrião o seu segundo título, permitindo ao seu país terminar em terceiro lugar na tabela de medalhas. Terceira medalha para a Suíça e segunda medalha de prata surpresa para a equipe masculina depois de Freddy Waizenegger em -66kg.
O último vencedor do dia é o holandês Jesper Smink, sétimo na Europa 2021 e quinto no Grande Prêmio de Zagreb em setembro. Esta noite, o batavo domina na final dos -90kg o italiano Christian Parlati (normalmente nos -81kg) num contra-ataque de o-soto-gari. Uma vitória que dá à Holanda o segundo lugar em medalhas (dois títulos, uma de prata e uma de bronze).
Um domingo que se revelará, portanto, decisivo para saber qual o país que ia vencer este Grande Prémio. Em uma semana, a subida será bem real com um Grand Slam em Paris que promete muito (mesmo que os russos não estejam lá).

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.