Grande incêndio florestal controlado em Portugal

Após o forte calor causado pelo anticiclone Lucifer, vários países do sul da Europa, incluindo a França com o departamento de Var, sofreram incêndios mais ou menos grandes nos últimos dias. Depois da vizinha Espanha, foi Portugal que teve de lidar com um grande incêndio florestal durante dois dias no Algarve, no sul do país, habitualmente popular entre os turistas.

Ainda “ativo”, mas declarado “em solução” à tarde, o incêndio destruiu pelo menos 9.000 hectares de florestas, pomares e arbustos, ferindo levemente os bombeiros e evacuando 81 moradores de uma dúzia de aldeias, segundo um relatório na tarde de terça-feira. determinado pelos serviços de emergência. Atingido em 2017 pelos incêndios florestais mais mortíferos da sua história, matando mais de uma centena de pessoas, Portugal teve um ano relativamente calmo na frente do fogo até agora.

O foco principal deste verão foi declarado na noite de domingo para segunda-feira no concelho de Castro Marim, no sertão algarvio, junto à fronteira espanhola. Depois de ter sido dado pela primeira vez como indicado, acendeu-se na noite de segunda-feira e avançou de forma “relâmpago” para os concelhos de Tavira e Vila Real de Santo António, descreveu terça-feira o comandante regional da defesa civil, Richard Marques.

Agitadas pela força do vento, as chamas desceram da serra até à costa, interrompendo o trânsito durante várias horas na autoestrada que atravessa o Algarve de leste a oeste. De acordo com testemunhos recolhidos pelos meios de comunicação locais, vários edifícios agrícolas e residenciais foram danificados, pelo menos parcialmente, mas as autoridades não confirmaram esta informação.

Alarme de incêndio até quarta-feira

Enfrentando temperaturas escaldantes propícias aos incêndios florestais que Portugal vive desde sexta-feira, Lisboa prorrogou o alarme de incêndio em vigor na maior parte do território até quarta-feira à noite.

Na vizinha Espanha, o incêndio que deflagrou no sábado em Navalacruz, perto de Ávila (Centro-Oeste), continua “activo” no “nível 2 de perigo”, mas a sua evolução está a ser monitorizada pelas autoridades de Castela e da região de Leão. O incêndio florestal, que mobilizou até 1.000 socorristas e inúmeras forças aéreas, destruiu pelo menos 12.000 hectares e levou à evacuação de quase 1.000 moradores neste fim de semana.

Como dezenas de outros incêndios de médio porte, é o resultado da onda de calor que assola Espanha desde quarta-feira, com temperaturas anormalmente altas subindo para 47,4 graus na Andaluzia (sul) no sábado, uma temperatura recorde já registrada no país, de acordo com o Serviço Meteorológico Nacional.

Os incêndios que estão aumentando em todo o mundo, como na Grécia, Turquia e Argélia nas últimas semanas, estão associados a vários fenômenos que os cientistas esperam como resultado do aquecimento global.

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.