Grande filme conturbado “Pacificação” de Albert Serra

Um título evocativo, uma promessa do distante e do imaginário, para um filme de longa duração cheio de material romântico magnético e alucinatório. Um filme muito bom de Albert Serra (adorámos A Morte de Luís XIV), de ver absolutamente (veja a resenha do TLC no momento de sua apresentação na competição em Cannes).

Albert Serra filma como se sonha, com nitidez e profundidade. Suas visões deslumbrantes atravessam a tela, vivas, sempre à beira de algo. Este longo filme desenrola-se como um material espesso e inquieto, que nos cativa nas suas sequências livres de ponta a ponta.

O que vemos: Na ilha do Taiti, um colorido alto comissário, The Roller (Benoît Magimel), tenta decifrar a situação local e resolver o mistério de um possível risco nuclear. Seguimos De Roller, como se estivéssemos dentro de seu crânio, aquele que olha as coisas através de seus óculos azuis esfumados. Apenas uma vez ele os tira, para esfregar as pálpebras e colocá-los de volta antes que possamos ver seus olhos. Este véu azul é duplicado pela quantidade de álcool que o Alto Comissário bebe regularmente. A anestesia branda não o impede de examinar cuidadosamente seus interlocutores: esse jovem e arrogante Matahi, que quer lhe explicar as convulsões e os problemas da população, esse estranho almirante, de olhar fixo, esse jovial futuro prefeito.

As coisas estão definitivamente embaçadas. The Roller procura esclarecer os acontecimentos incontroláveis, o risco nuclear, a geopolítica, com aforismos lançados a todo custo sobre a Revolução Francesa e o bem comum. O homem mantém a compostura, para avaliar seus oponentes, fazendo-os beber (” Vamos, outro copo de uísque, vai te fazer extraordinariamente bem ele promete a um velho estranho que afirma que seus papéis foram roubados). Ao seu lado, ainda embutido no fundo, um quase mudo Sergi Lopez, de olhar pesado. Ao seu lado está Shanna (Pahoa Mahagafanau), uma travesti linda, poderosa e gentil. A troca de palavras e olhares entre De Roller e Shanna criam um vínculo real.

A madrugada escarlate, as ondas monstruosas em um passeio de jet ski, o langor sombrio de boates duvidosas, a vegetação abundante, permeiam o filme tanto quanto a trama, que segue seu curso e se ramifica em reviravoltas. Onde flutuamos? Quem sabe ? O enigma engrossa, clareia, vela-se. É um submarino que vimos à distância?

Como em estado de embriaguez, as imagens nos atingem, um pouco mais nítidas, um pouco mais brilhantes. Um filme muito grande, habitado e magnético.

Paz, tormento nas ilhas, por Albert Serra, França/Espanha/Alemanha/Portugal, 2022, 2h45, com Benoît Magimel, Pahoa Mahagafanau, Marc Susini, Matahi Pambrun, Alexandre Mello, Montse Triola, Michael Vautor, Cécile Guilbert, Lluis Serrat, Sergi Lopez . Competição oficial de Cannes 2022. Lançado em 9 de novembro de 2022.

visuais: foto oficial do filme©.

Alberta Gonçalves

"Leitor. Praticante de álcool. Defensor do Twitter premiado. Pioneiro certificado do bacon. Aspirante a aficionado da TV. Ninja zumbi."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.