França não aplicará restrições de viagem a Espanha e Portugal

A França não vai impedir seus cidadãos de ir de férias para Espanha ou Portugalapesar da mensagem da semana passada que desencorajei fazer isso para a recuperação da epidemia nos dois países, mas exige maior vigilância em lugares como a Catalunha, onde as infecções dispararam. O porta-voz do governo francês, Gabriel Attal, insistiu na terça-feira que não estão previstas restrições de viagem para Espanha e Portugalao mesmo tempo em que anunciam que estão em sua “lista vermelha” – o que na prática torna as viagens quase impossíveis – Tunísia, Cuba, Moçambique e Indonésia. Por outro lado, a França decidiu que as restrições recaem sobre os não vacinados e que um atestado de saúde é necessário para levar uma vida social normal.

Na conferência de imprensa após o Conselho de Ministros, Attal descartou “proibir os franceses de ir de férias para Espanha ou Portugal”quando questionado sobre uma possível alteração das condições de viagem após a passada quinta-feira, o secretário de Estado dos Assuntos Europeus, Clément Beaune, desaconselhou a deslocação para lá.

Acrescentou que “a vigilância é solicitada onde quer que vá de férias, para a França ou para o estrangeiro”, embora “obviamente em certos países ou em certos territórios daqueles países onde a recuperação da epidemia é mais forte, por exemplo na Catalunha, onde a taxa de incidência entre jovens é até 1.000, pede-se uma vigilância reforçada”

À questão de saber se a possibilidade de um outro país da União Europeia ser colocado na “lista vermelha” está descartada em princípio, a sua resposta foi que “as considerações que nos orientam são sempre de natureza sanitária e operacional”, bem como “um certo pragmatismo”.

A quarta onda na França

Attal disse que na França “a quarta onda já começou”que a situação noutros países europeus onde as infecções dispararam “constitui uma situação de alerta”, e que isso justifica a precisa acelerar a vacinação porque a taxa de cobertura “continua insuficiente”.

O porta-voz detalhou alguns dos anúncios feitos esta segunda-feira pelo presidente francês, Emmanuel Macron, que afirmou que pessoal de saúde e todos os profissionais que lidam com pessoas vulneráveis ​​terão que ser vacinados compulsoriamente em 15 de setembro para continuar praticando.

Macron em sua aparição na televisão na segunda-feira, no France 24.

O presidente Macron anunciou nesta segunda-feira, em um discurso de meia hora na televisão, algumas medidas para evitar que a nova onda lote hospitais e force novos confinamentos, frustrando a recuperação da economia após mais de um ano e meio de restrições.

Vacinas = saúde e liberdade

A ideia apresentada por Macron é que o ônus das restrições que o Governo julgar necessárias neste momento não recai sobre toda a população, mas em quem não foi vacinado. A vacina significa saúde e liberdade total. Se alguém optar por não se vacinar, terá que arcar com as consequências.

É uma virada importante na política francesa e também para o resto do mundo ocidental, onde a vacinação nunca foi obrigatória. Analistas preveem que essa nova política possa ser adotada, uma hora ou outra, por mais países europeus. Principalmente se a luta contra o vírus continuar colidindo com uma parte da população que não quer ser vacinada.

Assim, o presidente Macron anunciou que a França vai estender o uso do certificado de saúdeque a partir de 21 de julho serão obrigados a ir ao cinema, teatro ou espetáculos com mais de 50 pessoas, e desde o início de agosto para ir a um bar ou restaurantepara viagens de longa distância em transporte público ou para entrar em um shopping center.

Esta é a tradução prática da nova política: as vacinas são iguais à liberdade de movimento.

Milhares de franceses na Tunísia

Attal lembrou que a passagem para aquele A “lista vermelha” da Tunísia – onde estão de férias milhares de franceses – significa que, a partir do próximo fim-de-semana, quem pretender entrar em França a partir daí terá de poder demonstrar um motivo “convincente”, apresentar teste negativo -embora vacinado- e permanecer em isolamento.

Este isolamento será voluntário e terá a duração de sete dias para quem já tiver o calendário vacinal completo e 10 dias para os restantes, e nesse caso controlado pelas forças de segurança e sob pena de multa de 1.000 euros em caso de incumprimento

Essas mesmas regras são as que também se aplicam aos viajantes de Cuba, Moçambique e Indonésia.

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.