Fim de semana de protestos para apoiar a Ucrânia e pedir paz

A mobilização pela paz na Ucrânia continua. Os ralis decorreram este sábado em várias cidades, de Paris a Roma, passando por Londres, Lisboa, Zurique e Tóquio. Veja na euronews






© Anthony Anex/Anthony Anex


A guerra na Ucrânia começou há dez dias e desde esta quinta-feira, a cidade ucraniana de Kherson está sob controle russo. Neste sábado, porém, os tiros de advertência dos ocupantes não impediram que os moradores saíssem às ruas, com bandeiras ucranianas na mão, para denunciar a ofensiva do Kremlin contra seu país.

Em quase todos os lugares do planeta, as manifestações contra a guerra na Ucrânia continuam. Este sábado às Paris, foram vários milhares a ter lugar da República. Os comícios foram planejados durante todo o fim de semana em muitas cidades da França.

NO Lisboa, várias centenas de pessoas formaram correntes humanas na sexta-feira para exigir a paz na Ucrânia. Lado a lado e alinhados nas embaixadas de quatro dos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança das Nações Unidas (França, Reino Unido, Estados Unidos, China) e Alemanha, homens e mulheres responderam à iniciativa da Associação dos Ucranianos em Portugal .

Pela paz na Ucrânia, o mundo inteiro a uma só voz!“, cantavam os participantes enquanto agitavam bandeiras ucranianas e cartazes pedindo para parar o presidente russo Vladimir Poutine.

Cada corrente humana terminava com a entrega de uma carta aos embaixadores pedindo aos governos abordados que mostrassem firmeza diante da invasão russa da Ucrânia.

Cerca de 29.000 ucranianos residem atualmente em Portugal, formando uma das maiores comunidades estrangeiras neste país de 10 milhões de pessoas.

Estou aqui por solidariedade e porque o que está acontecendo me deixa muito triste. Também vivi este tipo de situação quando tive de sair de Angola depois de a revolução dos cravos em 1974. Portanto, entendo muito bem a situação dessas mulheres e crianças ucranianas. É por isso que estou aqui“, explica um aposentado português.

Na terça-feira, o governo português anunciou uma simplificação dos procedimentos para acolher e integrar os refugiados ucranianos.

Em particular, prevê a regularização acelerada que lhes confere um número de contribuinte, um número de segurança social, acesso a serviços de saúde, assistência na procura de alojamento e direito ao trabalho.

Outra manifestação, Londres. Várias centenas de pessoas, carregando bandeiras ucranianas, manifestaram-se neste sábado para exigir o fim da invasão da Ucrânia e rezar pela paz.

Multidões se reuniram na Trafalgar Square, no centro da capital britânica, segurando placas com inscrições como “Putin mata” e “Embargo total contra a Rússia“e gritando”Pare Putin, pare a guerra!“.

Quando o último soldado ucraniano cair, Putin virá atrás de vocês senhoras e senhores“, proclamou uma bandeira gigante.

O Núncio Apostólico na Grã-Bretanha, o Arcebispo Claudio Gugerottileia uma oração, dizendo em particular “Hoje somos todos ucranianos“.

A atmosfera era a mesma Roma neste sábado e os italianos também saem às ruas para dizer não à guerra. Como um Zurique na Suíça, onde os manifestantes exigiram um cessar-fogo imediato na Ucrânia, negociações diplomáticas e a retirada das tropas russas.

Um grande número de japoneses também tomou as ruas de Tóquio manifestar a sua solidariedade para com os ucranianos.

Chico Braga

"Web enthusiast. Communicator. Annoyingly humble beer ninja. Typical social media evangelist. alcohol aficionado"

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.