Facebook é acusado de permitir que anúncios de desinformação política sejam veiculados no Brasil. Esporte

A ONG Testemunha Global realizou uma campanha de testes no Brasil para avaliar as práticas de moderação do Facebook sobre propagandas políticas no país, relatórios em particular O mundo .

o Brasileiros são chamados a votar em seu novo presidente em 2 de outubro. Uma votação tensa que se opõe principalmente ao ex-presidente de extrema-direita, Jair Bolsonaro, e ao ex-presidente de esquerda Lula da Silva.

Facebook “falha”

As conclusões de sua investigação revelam que os esforços prometidos do Facebook para proteger a integridade das eleições no Brasil falharam, mesmo que a rede social considere o país “em risco” de campanhas de desinformação.

“O Facebook não detectou desinformação relacionada a eleições em anúncios no período que antecedeu as eleições brasileiras em 2 de outubro de 2022conclui GlobalWitness. Dada a natureza de alto risco da eleição brasileira, o Facebook está falhando em seus esforços para proteger adequadamente os brasileiros de um pesadelo de desinformação. »

Anúncios enganosos aprovados

Como parte de sua campanha de teste, a ONG afirma ter enviado um total de dez anúncios em português brasileiro no Facebook, cinco dos quais continham informações eleitorais falsas, como a data e o local da votação, e cinco visavam deslegitimar o processo eleitoral. , em especial sobre a votação electrónica. “Surpreendentemente, todos os exemplos de desinformação eleitoral foram aprovados”informa a ONG.

Um dos anúncios enviados foi inicialmente rejeitado pela política do Facebook sobre anúncios relacionados a questões sociais, eleições ou política. No entanto, foi finalmente aprovado seis dias depois, sem explicação ou intervenção da Global Witness.

“Esta bizarra sequência de decisões do Facebook põe seriamente em causa a integridade dos seus sistemas de moderação de conteúdo”lamenta a ONG.

De acordo com a Global Witness, um porta-voz do Meta (Facebook) disse em resposta a essas descobertas que o grupo permaneceu “profundamente comprometidos com a proteção das eleições no Brasil e no mundo”sem dar qualquer explicação sobre a publicação de anúncios enganosos.

A Global Witness já havia apontado falhas nas políticas de moderação nas eleições na Birmânia, Etiópia e Quênia, vazando mensagens de ódio e incitação à violência.

Aleixo Garcia

"Empreendedor. Fã de cultura pop ao longo da vida. Analista. Praticante de café. Aficionado extremo da internet. Estudioso de TV freelance."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.