Facebook acusado de veicular anúncios de desinformação política no Brasil

A ONG Testemunha Global realizou uma campanha de teste no Brasil para avaliar as práticas de moderação do Facebook sobre propagandas políticas no país, relatórios em particular O mundo .

o Brasileiros são convocados a votar em seu novo presidente em 2 de outubro. Um clima tenso em que o ex-presidente de extrema-direita Jair Bolsonaro e o ex-presidente de esquerda Lula da Silva se opõem especialmente.

Facebook “falha”

As descobertas de sua investigação mostram que os esforços prometidos do Facebook para proteger a integridade das eleições brasileiras falharam, mesmo que a rede social veja o país como “em risco” de campanhas de desinformação.

“O Facebook não descobriu nenhuma desinformação relacionada a eleições em anúncios antes da eleição brasileira em 2 de outubro de 2022conclui GlobalWitness. Dadas as altas apostas da eleição brasileira, o Facebook está falhando em seus esforços para proteger adequadamente os brasileiros de um pesadelo de desinformação. »

Anúncios enganosos aprovados

Como parte de sua campanha de testes, a ONG afirma ter colocado um total de dez anúncios em português brasileiro no Facebook, cinco dos quais continham informações eleitorais falsas, sobre a data e o local da votação, e cinco tinham a intenção de dificultar o processo eleitoral. ilegal. , em especial sobre a votação electrónica. “Desconcertantemente, todos os exemplos de desinformação eleitoral foram aprovados”informa a ONG.

Um dos anúncios enviados foi inicialmente rejeitado pelas políticas do Facebook sobre anúncios relacionados a questões sociais, eleições ou política. No entanto, foi finalmente aprovado seis dias depois, sem explicação ou intervenção da Global Witness.

“Esta série bizarra de decisões do Facebook questiona seriamente a integridade de seus sistemas de moderação de conteúdo”lamenta a ONG.

De acordo com a Global Witness, um porta-voz do Meta (Facebook) disse em resposta a essas descobertas que o grupo permaneceu “muito comprometido com a proteção das eleições no Brasil e no mundo”sem dar qualquer explicação sobre a publicação de anúncios enganosos.

A Global Witness já havia apontado falhas nas políticas de moderação eleitoral na Birmânia, Etiópia e Quênia, vazando mensagens de ódio e incitação à violência.

Alberta Gonçalves

"Leitor. Praticante de álcool. Defensor do Twitter premiado. Pioneiro certificado do bacon. Aspirante a aficionado da TV. Ninja zumbi."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.