F1: GP da Arábia Saudita continua ‘como planejado’ apesar dos ataques

JEDDA: As condenações estão chegando depois que a milícia Houthi atacou uma refinaria em Jeddah na sexta-feira. Os Estados Unidos acusaram o Irã de permitir o ataque fornecendo armas aos agressores, desafiando a lei internacional.

“Os ataques houthis às refinarias da Saudi Aramco em Jeddah, bem como os ataques a instalações civis em Jizan, Najran e Dhahran, são atos de terrorismo destinados a prolongar o sofrimento do povo iemenita”, disse Jake Sullivan, conselheiro de segurança nacional dos EUA.

“Os ataques de hoje, como aqueles que atingiram estações de tratamento de água e infraestrutura de energia em 19 e 20 de março, foram claramente possibilitados pelo Irã, em violação às resoluções do Conselho de Segurança da ONU que proibiram a importação de armas para o Iêmen”, disse ele em um comunicado. comunicado de imprensa na sexta-feira.

O chefe da diplomacia americana, Antony Blinken, anunciou a intenção de Washington de trabalhar com Riad para fortalecer suas defesas “enquanto busca o progresso para um fim duradouro do conflito” e permitir que os iemenitas “determinem seu futuro em um coletivo”.

A Coalizão para Restaurar a Legitimidade no Iêmen anunciou que o incêndio nos dois tanques da refinaria havia sido controlado, sem vítimas.

Na manhã de sábado, a Coalizão interceptou dois drones sobrevoando o território iemenita, em direção à Arábia Saudita. Ela disse que eles foram lançados de uma refinaria em Hodeidah. Um ataque de retaliação foi realizado em Sanaa, ela também anunciou.

Fios de fumaça preta podem ser vistos na sexta-feira em Jeddah após o ataque houthi. A milícia, que tomou posse da capital Sanaa em 2014 e continua a ocupar grande parte do país, realizou vários ataques contra infraestruturas civis no Reino.

A Coalizão, liderada por Riad, apoia o governo internacionalmente reconhecido do Iêmen. Ele interceptou vários ataques de mísseis e drones no passado.

O que atingiu Jeddah em 19 de março causou um incêndio em um centro de distribuição da Aramco. No dia seguinte, a Coalizão destruiu um barco carregado de explosivos em Hodeidah, frustrando um ataque a uma rota marítima vital.

O ataque à instalação petrolífera da Saudi Aramco foi amplamente condenado. (AFP)

Vários incidentes semelhantes atingiram aeroportos no Reino, causando ferimentos entre civis.

Em fevereiro, 12 pessoas ficaram feridas em um ataque de drone contra o aeroporto de Abha. Em outubro passado, 26 civis ficaram feridos no aeroporto King Abdulaziz em Jazan, atingido em duas ocasiões distintas.

A milícia houthi aumentou a frequência de seus ataques ao Reino nas últimas semanas, enquanto o Irã tenta reviver o acordo nuclear que permitiria que Teerã voltasse a vender seu petróleo, em meio à crise energética causada pelo conflito. Ucraniano.

O reino saudita, o maior exportador de petróleo do mundo, já havia alertado na segunda-feira sobre o risco de uma queda em sua produção de petróleo após vários ataques reivindicados pelos houthis.

A fumaça do ataque era visível da pista. "Sinto cheiro de queimado - este é o meu carro?" disse o campeão mundial de F1 Max Verstappen no rádio de sua equipe.  (Reuters)
A fumaça do ataque era visível da pista. “Sinto cheiro de queimado – este é o meu carro?” disse o campeão mundial de F1 Max Verstappen no rádio de sua equipe. (Reuters)

Em uma carta enviada ao Conselho de Segurança na sexta-feira, a Arábia Saudita disse que se reserva o direito de se defender contra ataques de milícias.

A princesa Reema dobrada Bandar, embaixador saudita nos Estados Unidos, reagiu em um tweet. “Terroristas houthis apoiados pelo Irã continuam a atacar nossa infraestrutura civil e energética com armas iranianas, com impunidade.” A comunidade internacional deve agir diante desse ataque que teve como alvo civis inocentes e as reservas mundiais de energia”, disse ela.

O presidente egípcio Abdel Fattah Al-Sisi condenou o ataque durante uma conversa por telefone com o príncipe herdeiro Mohammed bin Salman. Al-Sisi assegurou que o Egito se solidariza com o Reino diante de ataques hostis.

O primeiro-ministro britânico Boris Johnson também denunciou os ataques no Twitter: “Condeno totalmente o último ataque dos houthis contra locais críticos na Arábia Saudita, especialmente em Jeddah. Esses ataques colocam em risco a vida de civis e devem parar”.

Os Emirados Árabes Unidos, alvo de ataques semelhantes no passado, pediram à comunidade internacional que reaja e apoie os esforços da Coalizão contra a milícia.

A França expressou sua condenação “nos termos mais fortes”, pedindo o fim de tais atos, que põem em risco a segurança e a estabilidade regional da Arábia Saudita. Paris exortou os houthis a se engajarem construtivamente nas conversações organizadas pela ONU.

O Ministério da Energia saudita reiterou que não pode assumir a responsabilidade por qualquer escassez de oferta de petróleo nos mercados mundiais.  (AFP)
O Ministério da Energia saudita reiterou que não pode assumir a responsabilidade por qualquer escassez de oferta de petróleo nos mercados mundiais. (AFP)

O Bahrein, por sua vez, afirmou seguir todas as medidas que a Arábia Saudita “considera necessárias para manter sua segurança e estabilidade diante desses ataques deliberados e sistemáticos, em violação ao direito internacional”.

O Sudão disse que o ataque houthi representou uma perigosa escalada de conflito para a região e que também apoiaria qualquer resposta saudita.

O líder da Liga Árabe, Ahmed Aboul Gheit, também alertou para o perigo representado por este ataque para a segurança regional e o abastecimento global de energia. Ele pediu à comunidade internacional que adote uma postura mais dura em relação aos houthis.

A Liga Mundial Islâmica, por meio de seu líder Mohammed al-Issa, expressou seu apoio ao Reino na proteção de civis em seu território.

Os preços do petróleo subiram acentuadamente desde que a invasão da Ucrânia pela Rússia em 24 de fevereiro interrompeu o fornecimento global, já que a Rússia foi atingida por sanções ocidentais.

O Irã, principal apoiador dos houthis, está tentando reviver o acordo nuclear abortado por Donald Trump em 2021.

Joe Biden expressou seu desejo de voltar ao acordo, despertando a amargura de seus aliados na região, que o veem como uma recompensa para o Estado iraniano, um fator de desestabilização regional. Eles também estão preocupados com a possível remoção do Corpo da Guarda Revolucionária Islâmica (IRGC) da lista de organizações terroristas de Washington, uma possível inclusão no acordo.

O IRGC controla um império comercial no Irã e forças militares e de inteligência responsáveis ​​por ataques terroristas em todo o mundo.

“A tentativa de remover o IRGC da lista de organizações terroristas é um insulto às suas vítimas e seria uma negação da realidade documentada e apoiada por evidências inequívocas”, protestou Israel.

As discussões sobre a energia nuclear estão atualmente suspensas, com a Rússia querendo que Teerã seja isenta das sanções que a atingem. Para Washington, essas são duas questões distintas.

Um acordo ratificado permitiria ao Irã vender livremente seu petróleo nos mercados internacionais, que estão em alta demanda.

O Irã teria entre 65 e 80 milhões de barris em estoque, segundo a Bloomberg, citando dados coletados pelo provedor de soluções de inteligência Kpler.

Este texto é a tradução de um artigo publicado no Arabnews.com

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.