Extrema-direita portuguesa enfrenta várias crises antes do início da legislatura | Mundo | edição americana

O partido de extrema-direita Chega, agora a terceira potência em Portugal, enfrenta várias crises duas semanas antes do início da legislatura, com a demissão de um alto funcionário, o julgamento por difamação do seu vice-presidente e as distâncias a serem marcadas pelo primeiro-ministro português Ministro, o socialista António Costa.

O Chega, que teve um único deputado na legislatura anterior, terá 12 deputados no parlamento português quando a próxima sessão começar daqui a duas semanas, depois de ter obtido mais de 7% dos votos nas eleições de 30 de janeiro.

Agora a terceira força na Câmara, o partido liderado por André Ventura tem várias questões pendentes que preveem que sua relação com os demais partidos não será fácil nos próximos quatro anos.

PROCESSOS E DEMISSÃO

O partido acordou nesta quarta-feira com seu vice-presidente e deputado eleito, Pedro Frazão, na bancada por difamação de um ex-líder de esquerda.

Frazão escreveu no Twitter em novembro passado que o ex-líder do Bloco de Esquerda Francisco Louçã recebeu dinheiro do Banco Espírito Santo (BES), entidade falida em meio a irregularidades e com processos pendentes.

Louça levou o caso a tribunal, com julgamento a começar esta quarta-feira, exigindo que Frazão admitisse publicamente que mentiu.

A esta polémica junta-se hoje a demissão do secretário-geral do partido, Tiago Sousa Dias, que anunciou a sua saída numa publicação no seu perfil do Facebook devido a “desacordos”, sem explicar o quê.

“Não abro mão da liberdade de pensar por mim e me dedicar apenas ao que realmente me motiva”, escreveu Sousa Dias, que se juntou ao partido em maio de 2020.

DISTÂNCIAS DOS MERCADOS COSTEIROS

O Chega também tem de enfrentar as distâncias que os restantes partidos e o próprio primeiro-ministro em exercício, António Costa, estão a demarcar com a formação de extrema-direita.

Costa embarcou esta quarta-feira numa ronda de contactos com vários atores da sociedade civil, atores sociais e partidos para preparar a nova legislatura, mas o Chega ficou de fora dessas conversações.

O líder socialista justificou que estas reuniões se destinam a preparar o programa do futuro governo e conhecer melhor as prioridades dos diferentes partidos: “Não há acordo com o Chega, como tenho repetidamente dito durante a campanha eleitoral”, explicou em declarações à imprensa.

Costa admitiu ter tido audiências com a extrema-direita sobre questões institucionais, já que o Chega está “institucionalizado no parlamento”, mas não para procurar convergência política.

Esta atitude foi criticada pelo líder do Chega, André Ventura, que considerou que Costa estava a “ignorar” os mais de 385 mil eleitores que os apoiaram nas urnas.

Dificuldades também surgem no Parlamento, pois o Chega, como terceiro poder, tem o direito de nomear um vice-presidente da Assembleia da República, mas a nomeação deve ser aprovada por maioria dos deputados.

A esquerda já avisou que não apoiará essa nomeação, e Ventura ameaçou hoje recorrer da decisão ao Tribunal Constitucional, dizendo que a considera um “boicote institucional”.

“Estamos enfrentando um enfraquecimento da mente do legislador e vamos pedir ao Tribunal Constitucional que determine a viabilidade de tais situações no futuro”, disse ele a repórteres no parlamento.

Chico Braga

"Web enthusiast. Communicator. Annoyingly humble beer ninja. Typical social media evangelist. alcohol aficionado"

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *