Espanha volta a correr para Portugal, a sua fera negra

Às vezes, a Espanha parecia estar de volta naquele 27 de setembro, de memória infeliz, na Lituânia, nas quartas de final da Copa do Mundo. Ele caiu contra sua fera preta, depois de vencer por 2 a 0, e a mesma coisa aconteceu novamente na Eurocopa na Holanda (2 a 3). E embora nos anteriores 32 duelos entre a Seleção Nacional e Portugal tenha havido apenas três vitórias portuguesas, nos últimos anos o atual campeão mundial e europeu ele havia medido os homens de Fede Vidal depois de vencer a final da Euro 2018 e as quartas de final da Copa do Mundo de 2021. Ele acrescentou mais um capítulo (já sem Ricardinho, retirado da seleção) em Amsterdã, e venceu a Espanha com mais uma grande virada para disputar o título no domingo contra a Rússia (17h30), que venceu a Ucrânia na outra semifinal.

O início dos homens de Vidal foi imbatível. Aos 17 segundos, a Seleção já estava no comando após o gol de Raúl Gómez após uma assistência de Lozano. O pivô, que vai de menos a mais nesta temporada, cresce com a Seleção. Não é por menos. “Vamos galera, hoje sai tudo”, disse o técnico, Fede Vidal, na primeira parte. Ele tinha razões para esta afirmação, porque Portugal teve até três remates à madeira na primeira parte. Entre Dídac, a defesa, com Lozano e Ortiz no chão na linha do gol evitando o gol de Zicky, lO atual campeão não conseguiu encontrar uma maneira de derrubar o muro de Dídac.

Na primeira parte, as marcas desta Selecção ficaram para mais um dia: a pressão e as bolas paradas. Foi assim que surgiu o segundo golo, quando a Espanha mais sofreu. Falta de Mellado, próximo ao centro da pista, que auxilia Chino a executar sua chinazo, de longe e surpreendente Sousa. Quando a Espanha estava pior, marcou o segundo. As coisas correram bem, porque nove minutos antes do intervalo soou a buzina: cinco faltas da Espanha. Restava um mundo e o risco de uma dupla penalidade era alto, e era assim que Portugal o procurava com Zicky e Pany Varela a partilharem minutos. Eles não entenderam.

Zicky e déjà vu da Lituânia

Adolfo, numa jogada mais clássica do futebol, quase marcou de cabeça de escanteio. Teria sido a cereja no topo do bolo, porque Portugal, após 33 remates, não entendeu que o seu golo ainda era zero. Você não pode considerar um campeão de tudo acabado. A própria Espanha sabia que na última Copa do Mundo, há apenas quatro meses, também viveu uma tarde semelhante. Na segunda parte, e com o passar dos minutos, os homens de Vidal duraram menos com a bola, com posses mais curtas, mas o tempo passou e, apesar de Portugal ter rondado a baliza espanhola, nada mudou. Até às onze do final, o pênalti de Ortiz veio sobre Afonso Jesus. Bruno Coelho não falhou e começou um novo jogo.

Zicky, herói de Portugal

A Espanha não foi a mesma desde então. Muito afundado, mais assustado, e Portugal continuou a sitiar o golo de Didac, que apesar da derrota fez um grande jogo. Mas Zicky, o pivô que surpreende o futsal mundial com apenas 20 anos, levou a medida para a Espanha. A nove do final, o corpulento centro aproveitou o facto de a defesa espanhola estar muito envolvida na sua área, e também a falta de contundência, para definir com um remate forte. Empate, e a Espanha quase sem ideias, fora do lugar. Adolfo esteve perto do terceiro, mas foi uma miragem.

Depois de um ótimo primeiro tempo, a Seleção se esvaiu no segundo, e depois de um contra-ataque perfeitamente executado, O próprio Zicky empurrou para o poste mais distante com menos de dois minutos restantes. Novamente Portugal, pelo terceiro torneio consecutivo, a kryptonita da Espanha, que desde 2016 vive uma seca de títulos e terá que lutar pelo terceiro lugar contra a Ucrânia (14:30). Agora, é de pouco consolo para uma equipe sete vezes europeia.

Confira todas as partidas e resultados do torneio

RETOMAR

3 – Portugal: André Sousa, Erick, João Matos, Bruno Coelho, Pany Varela -primeiros cinco-; Afonso Jesus, Tiago Brito, Tomás Paço, Zicky, Miguel Ângelo, Fábio Cecílio, André Coelho e Pauleta.

2 – Espanha: Didac, Ortiz, Mellado, Lozano, Raúl Gómez -primeiros cinco-; Chino, Solano, Adolfo, Boyis, Borja e Raul Campos.

Metas: 0-1, m. 1: Raúl Gomes. 0-2, m. 13: chinês. 1-2, m. 29: Bruno Coelho, de pênalti. 2-2, m. 32: Zick. 3-2, m. 39: Zick.

Árbitros: Nikola JeliÄ+ (Croácia) e Vedran Babic (Croácia). Eles advertiram o espanhol Sergio Lozano (m. 12) com um cartão amarelo.

Incidentes: Partida da semifinal da Holanda Euro 2022 disputada no Ziggo Dome em Amsterdã diante de 1.250 espectadores

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.