Espanha se junta a 36 países em declaração para isolar esporte russo

Madrid, 9 de março (EFE).- Miquel Iceta, ministro espanhol da Cultura e do Desporto, assinou, juntamente com os responsáveis ​​do desporto de 36 outros países, entre os quais Reino Unido, Estados Unidos, França e Alemanha, uma declaração na qual pedem o isolamento do esporte russo e bielorrusso devido à invasão da Ucrânia desde 24 de fevereiro.

Em um comunicado, todos chamaram a guerra iniciada pela Rússia e “facilitada” pela Bielorrússia de “injustificada e abominável”, acrescentando que ela “flagrantemente” viola os direitos internacionais da Ucrânia. Além disso, explicaram que o respeito aos direitos humanos e as relações pacíficas entre as nações “são a base do esporte internacional”.

Nesse contexto, os 37 países deram seu apoio às posições de organizações internacionais de não permitir que a Rússia e a Bielorrússia organizem, licitem ou sejam premiadas com qualquer evento esportivo internacional.

Além disso, afirmaram, os atletas individuais selecionados pela Rússia e pela Bielorrússia, bem como os seus dirigentes e as equipas que os representam, devem ser “proibidos” de competir fora dos seus países, “incluindo aqueles que representam organizações, cidades ou marcas que incorporem Rússia ou Bielorrússia, como os principais clubes de futebol.”

“Sempre que possível, devem ser tomadas medidas apropriadas para limitar o patrocínio e outros apoios financeiros de entidades ligadas aos estados russos ou bielorrussos”, acrescentam no comunicado mencionado.

A Espanha e os outros 36 países pediram a todas as federações esportivas internacionais que apoiassem esses princípios e aplaudiram todos aqueles que “já o fizeram”.

“Também saudamos a decisão do Comitê Paralímpico Internacional de impedir que atletas da Rússia e da Bielorrússia compitam nos Jogos Paralímpicos de Inverno de 2022 em Pequim. Essas restrições devem permanecer em vigor até que a cooperação sob os princípios fundamentais do direito internacional seja novamente estabelecida. eles notaram.

Finalmente, eles encorajaram todas as organizações esportivas internacionais e todos os órgãos legais a não “sancionar” atletas, treinadores ou dirigentes que decidam rescindir “unilateralmente” seus contratos com clubes russos, bielorrussos ou ucranianos, bem como “não perseguir ou sancionar” esportes organizadores que decidam suspender atletas ou equipes selecionadas pela Rússia e pela Bielorrússia.

“Além disso, encorajamos a comunidade esportiva internacional a continuar a mostrar solidariedade com o povo da Ucrânia, inclusive apoiando a continuação do esporte ucraniano sempre que possível”, disse o comunicado.

A lista dos 37 países que assinaram a declaração é composta por Austrália, Áustria, Bélgica, Canadá, Croácia, Chipre, República Tcheca, Dinamarca, Estônia, Finlândia, França, Alemanha, Grécia, Hungria, Islândia, Irlanda, Itália, Japão , Coréia África do Sul, Letônia, Liechtenstein, Lituânia, Luxemburgo, Malta, Holanda, Nova Zelândia, Noruega, Polônia, Portugal, Romênia, Eslováquia, Eslovênia, Espanha, Suécia, Suíça, Reino Unido e Estados Unidos.

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.