Espanha e Portugal atingidos por seca em pleno inverno

A Espanha, assim como o vizinho Portugal, está sendo atingida por uma seca precoce e extrema neste inverno devido às baixas chuvas em janeiro, já considerado o segundo mês mais seco desde 2000 na Península Ibérica.

“Eu nunca vi isso!” lamenta Carlos Perdigão, 76 anos, que pesca regularmente nas margens do rio Zêzere, rodeadas por grandes extensões de terra amarela e gretada na sequência da seca que atingiu a Península Ibérica este inverno. † Antes dele, as ruínas de Vilar, uma antiga aldeia de pedra que foi inundada pelo rio após a construção de uma grande barragem há quase 70 anos, vêm à tona há algumas semanas e são novamente visíveis devido ao nível de água muito baixo. †

A descida do nível do Zêzere, que serpenteia pelas serras cobertas de eucaliptos e mimosas desta região do centro de Portugal, é vista pelos moradores como uma nova ameaça, já duramente atingida pelos incêndios mortais de 2017, que queimaram mais de um cem mortos.

Espanha, tal como o vizinho Portugal, foi atingida por uma seca precoce e extrema este inverno devido à baixa pluviosidade de janeiro, que já é considerado o segundo mês mais seco na Península Ibérica desde 2000, segundo as autoridades meteorológicas dos dois países.

Sant Salvador de la Vedella, ao norte de Barcelona

Esta seca é excepcional pela “sua intensidade, magnitude e duração”, disse Ricardo Deus, climatologista do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA). E na Espanha, “em janeiro choveu apenas um quarto do que deveria ter chovido no momento”, disse Ruben del Campo, porta-voz da AEMET, a agência meteorológica espanhola, à AFP TV.

Agricultores e pecuaristas entregues

Esta situação inusitada já levou o governo português a tomar medidas de emergência. Num país onde quase 30% da energia consumida é de origem hidráulica, as autoridades foram obrigadas no início de fevereiro a anunciar a suspensão da produção hidroelétrica de cinco barragens para “manter os volumes necessários ao abastecimento público”.

Do outro lado da fronteira, o ministro da Agricultura espanhol, Luis Planas, manifestou na quarta-feira a sua “preocupação” com esta situação e garantiu que o governo vai “tomar as medidas necessárias de acordo com a evolução da situação”. Segundo as autoridades deste país, o nível dos reservatórios de água, cujo abastecimento é essencial para a agricultura, é atualmente inferior a 45% da sua capacidade em Espanha, com as regiões mais afetadas da Andaluzia (sul) e Catalunha (nordeste) .

A vila de Aceredo, Portugal, que foi inundada em 1992, ressurge

Esta baixa precipitação, que se mantém desde o final do ano passado, está preocupando agricultores e pastores em ambos os países.

“Olha! A erva não cresce para alimentar os animais”, desespera António Estevão, queijeiro com um rebanho de cerca de trinta cabras na Portela do Fojo Machio, localidade a poucos quilómetros de Pampilhosa da Serra, no centro de Portugal. “Se não chover nos próximos dias, as coisas vão ficar muito complicadas”, suspira este homem em frente aos prados com vegetação curta. “Para nós é um desastre”, lança-se Henrique Fernandes Marques, autarca desta vila de cerca de 400 habitantes, em frente a uma piscina flutuante construída nas margens do rio e agora a repousar uns dias em terra seca, que também ameaça os esforços para desenvolver o turismo nesta região do interior.

Sem melhora à vista

A alternância entre anos de seca e de chuva é normal no sul da Europa, mas “recentemente assistimos a uma diminuição da percentagem de anos de chuva”, sublinha Filipe Duarte Santos, investigador da Faculdade de Ciências de Lisboa e especialista em ambiente, que aponta o dedo no aquecimento global.

Reservatório de Baells, norte de Barcelona

Essas secas são “um dos impactos mais graves das mudanças climáticas”, explica. “Enquanto não reduzirmos drasticamente as emissões globais de gases de efeito estufa, o problema persistirá”, disse ele.

O aquecimento global provavelmente aumentará ainda mais a intensidade e a frequência das secas, que ameaçam a segurança alimentar da população em particular, mesmo que o mundo consiga limitar o aumento da temperatura a +1,5°C por ano em comparação com o período anterior ao aquecimento global . era industrial.

E a situação não deve melhorar nos próximos dias, já que as previsões meteorológicas para os dois países indicam precipitação abaixo da média para a temporada.

Perante esta realidade, o governo português anunciou na quinta-feira que vai reforçar a cooperação com Espanha para combater a seca na península.

Qualquer reprodução proibida

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.