Espanha e Portugal apertam as condições para entrada britânica no seu território

O avanço da circulação da variante Delta, conhecida como “índia”, na Península Ibérica preocupa as autoridades portuguesas e espanholas. Até então relutantes em impor severas restrições aos viajantes britânicos, que representam quase um quarto dos turistas internacionais nesses dois países, eles finalmente anunciaram em rápida sucessão, no domingo 27 e segunda-feira 28 de junho, novas medidas destinadas a endurecer os controles.

A 27 de junho, Lisboa impôs assim, para além do teste PCR negativo obrigatório de menos de setenta e duas horas já em vigor, que os turistas não vacinados do Reino Unido observem catorze dias de quarentena. Enquanto a variante Delta representou apenas 4% dos novos casos em maio, seria a causa de 55% deles em junho, segundo o Instituto Nacional de Saúde Pública Médico-Ricardo-Jorge (INSA).

Leia também Artigo reservado para nossos assinantes A variante “Delta Plus”, uma nova ameaça viral na Índia

A sua distribuição é ainda muito heterogénea – de 3% no arquipélago dos Açores a 94% na região do Alentejo. No entanto, o INSA espera que se torne “dominante em todo o território nas próximas semanas”. Para o médico e membro da comissão de acompanhamento da pandemia Artur Paiva, a imunidade de grupo, portanto, só seria alcançada com uma taxa de vacinação de cerca de 85%. “Pela segunda vez, podemos ter reagido muito lentamente ao aparecimento de uma nova variante, em dezembro [2020], o Alfa, e agora o Delta”, lamentou na terça-feira.

Ouça também A variante Delta pode desencadear uma quarta onda?

Severamente confinados entre janeiro e abril, os portugueses iniciaram então um desconfinamento muito gradual. A 17 de maio, Portugal, classificado como “verde” – ou seja, um destino seguro – pelo Reino Unido tornou-se o único país da União Europeia (UE) a receber turistas britânicos. Três semanas depois, em 3 de junho, o país foi reclassificado como laranja por Londres, o que provocou a saída precipitada de centenas de visitantes que desejavam evitar a quarentena de dez dias no retorno.

Com uma taxa de incidência a subir para 124 casos por 100.000 habitantes ao longo de catorze dias, o governo do socialista António Costa decidiu encerrar a área metropolitana de Lisboa, onde vivem 30% da população portuguesa, durante os fins-de-semana.

Mais de 5.000 pessoas em quarentena

Na Espanha, onde a taxa de incidência está começando a subir novamente ligeiramente após dois meses de declínio ininterrupto, o chefe do governo, Pedro Sanchez, reverteu a decisão, tomada em 24 de maio, de deixar os britânicos, então com uma taxa de incidência muito baixa , entram no território sem testes ou vacinas. A partir de 30 de junho, eles devem, como outros europeus, apresentar um teste de PCR negativo com menos de setenta e duas horas ou estar com a vacinação em dia.

Você tem 41,31% deste artigo para ler. O seguinte é apenas para assinantes.

Chico Braga

"Web enthusiast. Communicator. Annoyingly humble beer ninja. Typical social media evangelist. alcohol aficionado"

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.