Empresário admite que ajudou Venezuela a evitar sanções

Um empresário de Miami se declarou culpado de receber pagamentos do governo venezuelano em troca da manutenção da frota de caças russos do país sul-americano, violando as sanções impostas pelos Estados Unidos.

Jorge Nóbrega admitiu terça-feira em tribunal que a petrolífera venezuelana PDVSA lhe pagou o equivalente a cerca de 3,5 milhões de dólares numa conta que abriu em Portugal.

Nóbrega reconheceu que os pagamentos vieram de contas mantidas pela Tipco, uma empresa tailandesa produtora de asfalto que é cliente de longa data da PDVSA. A Tipco, uma empresa de capital aberto cujo papel em ajudar a Venezuela a escapar das sanções dos EUA foi objeto de uma investigação da Associated Press em 2020, não está sendo processada.

O caso contra Nóbrega, que tem dupla cidadania venezuelana-americana, se destaca de outros na Venezuela porque é um dos primeiros a investigar os negócios das forças armadas venezuelanas, uma importante base de apoio ao presidente Nicolás Maduro.

Ao anunciar as acusações no ano passado, os promotores disseram que Nóbrega, de 52 anos, esteve em várias bases aéreas na Venezuela, voou em aeronaves militares venezuelanas e tinha amigos nas forças armadas venezuelanas. Sua empresa Achabal Technologies, registrada na Flórida, vendia material isolante para a Venezuela para proteger os tanques de combustível dos caças Sukhoi caso fossem atingidos pelo fogo inimigo.

Em uma reunião gravada com um informante não identificado, Nóbrega supostamente se gabou de ter se encontrado com o ministro da Defesa venezuelano, Vladimir Padrino López, e comparou o plano à “diálise” que salvaria a Venezuela de ter que enviar aviões para a Rússia para manutenção. ou reparo.

A PDVSA devia dinheiro a Nobrega pelo trabalho que ele fez para a petroleira antes de os Estados Unidos imporem suas sanções em janeiro de 2019. Mas os pagamentos estavam condicionados à Nobrega fornecer outros serviços às forças armadas venezuelanas.

Sob a direção de cúmplices, Nóbrega abriu uma conta bancária em Portugal na qual recebeu pagamentos da Tipco em nome da PDVSA, entre março de 2019 e março de 2020. Aproximadamente metade do dinheiro foi então transferido para as contas bancárias da Achabal em Miami. . Documentos obtidos pela AP mostram que outras duas empresas, também registradas nos Estados Unidos, mas não afiliadas à Nóbrega, receberam outros US$ 4,1 milhões da mesma forma.

As sanções impedem todas as empresas americanas – e aquelas que as ajudam – de fazer negócios com a PDVSA, a menos que tenham permissão especial do Departamento do Tesouro.

Além disso, qualquer exportação de material ou serviços militares deve ter permissão do Departamento de Estado, o que Achabal não tinha.

Nóbrega pode ser condenado a até cinco anos de prisão.

Chico Braga

"Web enthusiast. Communicator. Annoyingly humble beer ninja. Typical social media evangelist. alcohol aficionado"

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.