Em Portugal, o porto de Sines está pronto para duplicar a capacidade do seu terminal de gás

O porto de Sines, o maior de Portugal, pode dobrar a capacidade de seu terminal de gás em menos de dois anos, disse seu chefe à AFP, enquanto Lisboa e Madri defendem uma rota alternativa de abastecimento de gás russo.

Localizado na costa sudoeste de Portugal, o porto europeu de águas profundas mais próximo dos Estados Unidos recebeu os primeiros carregamentos de gás natural liquefeito dos EUA para a União Europeia em 2016. Desde então, a quantidade de gás transportada, principalmente dos Estados Unidos e da Nigéria, aumentou acentuadamente, para aproximadamente 4 milhões de toneladas por ano.

Sines pode atingir até dez milhões de toneladasdisse o presidente da administração portuária, José Luis Cacho, em entrevista à AFP.Seria preciso dobrar a infraestrutura atual para atingir esses números, mas os investimentos são relativamente pequenos e se uma decisão for tomada hoje, poderemos alcançá-los em um ou dois anos.ele especificou.

À semelhança da vizinha Espanha, que tem seis terminais de gás para regaseificação e armazenamento de gás natural liquefeito (GNL) transportado por via marítima, ou seja, a maior rede da Europa, Portugal está a tentar convencer os seus parceiros europeus a investir no desenvolvimento de gasodutos que ligam a Península Ibérica para a França e o resto da Europa. Segundo o responsável do porto de Sines, os dois países poderão transportar até 20% das necessidades de gás da Europa, tanto por via marítima como através de um gasoduto ligado à Argélia.

a “reforço das interligações energéticasé, portanto, um dos principais objectivos de política externa incluídos no programa do novo governo que o socialista António Costa vai apresentar ao parlamento na quinta-feira. †Como uma ambição de longo prazo faria sentido, mas a curto prazo não terá impacto, pois levaria vários anos para construir este gasoduto‘, temperou quinta-feira o patrão do grupo petrolífero Galp Energia, o britânico Andy Brown, durante um encontro com a imprensa estrangeira em Lisboa.

No entanto, segundo o director-geral da Galp, será necessáriomuitos anospara que a Europa possa encontrar suprimentos que possam substituir o gás russo. †Assim, os projetos de GNL devem ser acelerados e devemos, por exemplo, concentrar os nossos esforços no reforço da segurança na Nigéria, principal fornecedor de GNL a Portugal.disse o Sr. Brown.

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.