Em Portugal, eleições antecipadas a 30 de janeiro

o Português havia perdido o hábito das crises políticas. Aqui eles mergulharam novamente desde que o projeto de orçamento de 2022 foi rejeitado pela esquerda no parlamento em 27 de outubro, abrindo caminho para a dissolução do parlamento na quinta-feira, 4 de novembro, em vigor quando o decreto do presidente for publicado no Diário Oficial. e novas eleições. em 30 de janeiro, um ano antes do previsto, no outono de 2023.

→ MANUTENÇÃO. Em Portugal “o clima político tornou-se confuso ao longo do tempo”

45 mil milhões de euros em fundos europeus

A rejeição do orçamento “O apoio do governo foi completamente reduzido”enquanto 2022 será “um ano decisivo para uma saída sustentável da pandemia e da crise social que nos atingiu”lamentou o chefe de Estado, Marcelo Rebelo de Sousa, em discurso televisionado na noite de quinta-feira.

Esta crise levanta preocupações de que os dois meses de paralisação política antes da votação possam dificultar o uso de fundos europeus pós-pandemia alocados pela União Europeia, enquanto Lisboa foi o primeiro estado-membro da UE a receber a aprovação de Bruxelas em seu plano de recuperação. Portugal deve, portanto, receber 45 mil milhões de euros, repartidos nos próximos sete anos, para remediar os nefastos efeitos económicos e sociais causados ​​pela pandemia.

Essa crise também está quebrando a relativa estabilidade do país, que é governado pelo primeiro-ministro socialista Antonio Costa desde 2015. Nessa data, e pela primeira vez desde a Revolução dos Cravos de 1974, a extrema esquerda uniu-se para desvendar as políticas de austeridade prosseguidas pela direita em troca do resgate internacional concedido a Portugal em 2011.

Chega pode beneficiar de divisões à direita

Mas em 2019, o primeiro-ministro socialista com 36% dos votos se recusou a renovar os acordos com a esquerda que asseguravam a estabilidade de seu governo minoritário. Ao votar contra o projeto de orçamento com a oposição de direita em outubro, a esquerda radical (Bloco de Esquerda e Partido Comunista) arriscou convocar eleições antecipadas.

Corrija o progresso em ordem dispersa. O Partido Social Democrata (PSD) de centro-direita está no meio de uma ampla reforma – deve eleger seu novo líder em 4 de dezembro -, mas espera capitalizar seu sucesso nas últimas eleições municipais, que o verão vencer, para surpresa do general, a Câmara Municipal de Lisboa. O outro partido de direita, o Partido Popular (PP), não está em boa forma, com apenas 5 representantes eleitos no parlamento. Finalmente, as divisões à direita podem beneficiar o novo partido de extrema-direita Chega, que entrou no parlamento em 2019.

Alberta Gonçalves

"Leitor. Praticante de álcool. Defensor do Twitter premiado. Pioneiro certificado do bacon. Aspirante a aficionado da TV. Ninja zumbi."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *