em Portugal, a forte pressão de Zemmour

Em Portugal, 16.000 pessoas estão inscritas no registo de cidadãos franceses residentes no estrangeiro, a abstenção atingiu 63,56% dos votos. No café “Nicola”, na praça do Rossio em Lisboa, Nicolas Chamoux explica o sucesso da sua festa: “É uma questão de geração. Aqui a maioria dos nossos compatriotas são reformados, muito ligados à França. consideraram deixá-la. Se o fizeram, ainda bem que degenerou. Nicolas Chamoux aborda os argumentos do candidato eliminado, o da “grande substituição” ou da “preferência nacional”. A França está em perigo e os expatriados podem contribuir para o ‘resgate’, diz o líder da Célula da Reconquista em Portugal.

Uma escolha econômica

Sandra Neris vive há cinco anos com o companheiro e os dois filhos de 8 e 10 anos numa pequena aldeia perto da vila medieval de Óbidos (Médio Oeste). Ela votou em Marine Le Pen, que “melhorou muito”. Mas Sandra está com raiva. “Irrita-me que estejamos a ser tratados como racistas. Eu sou uma raça mista e meus filhos têm cabelos crespos. Morávamos nos subúrbios sem nunca ter problemas. Segundo ela, a escolha de Sandra é econômica. “Não queremos que nosso país seja invadido (por imigrantes, nota do editor), mesmo que não moremos lá. Não há dinheiro para todos e, se há, são os estrangeiros que se beneficiam”, explica. Como “prova” ela cita a mãe que ficou no país e que vive frugalmente com 800 euros de pensão por mês “enquanto hospeda imigrantes em hotéis”. Hoje Sandra Neris vive longe dessas preocupações, que, no entanto, lhe parecem ainda mais angustiantes. “Tive que me mudar para o exterior para descobrir o quão catastrófica é a situação. »

A insegurança é a outra razão para o clima radical. “A maioria desses eleitores é o que chamo de refugiados de segurança. Pessoas que foram agredidas verbalmente ou fisicamente na rua em plena luz do dia. Eles são velhos e não podem se defender. Um bom terço são aposentados”, explica Jean Dessart, aposentado de 74 anos que comanda a célula de recaptura de Caldas da Rainha (Centro-Oeste). Ex-motorista de ônibus em Nice e ex-representante sindical, ele ficou chocado com os ataques. “Só porque não moramos na França não significa que não estamos interessados. Não esqueçamos que é ela quem paga nossas pensões. O governo os estabelece. Estamos aqui de férias prolongadas, mas não estamos fechados por tudo isso”, conclui Jean Dessart.

“Apêndice” do hexágono

“Isso é paradoxal. Esses eleitores se dizem patriotas, mas deixaram o país e estão ensinando patriotismo”, observa Mehdi Benlahcen, ex-consultor consular (Associação dos Franceses que vivem no exterior, à esquerda). quinze anos sublinha o ‘nomadismo’ que acolhe os expatriados, que, por exemplo, ‘se beneficiam’ da vantajosa cobertura previdenciária francesa.

“Muita coisa mudou nos últimos dez anos”, diz ele. O comunitarismo está crescendo. Um ”entre si” para servir o melhor, num pano de fundo de arrogância. Existem “conotações de colonialismo”, que podem ser encontradas nas palavras de Eric Zemmour. Muitos franceses não se reconhecem nessas vozes identitárias. “Estou atordoado. Alguns já estão entrincheirados na legitimidade do ódio. Escrevem à imigração, da qual nada sabem, os problemas de um país que deixaram”, protesta Alexa Faucher, autora de “Desde que andamos na lua” que vive em Lisboa há cinco anos. Mesma rejeição com Soline R., ela também por cinco anos em Lisboa. ‘Como você pode votar em partidos como o de Le Pen, anti-imigrantes se você é um deles’, ela pergunta. A Reconquista e o Rali Nacional unem forças para a segunda volta a 24 de abril.

Alberta Gonçalves

"Leitor. Praticante de álcool. Defensor do Twitter premiado. Pioneiro certificado do bacon. Aspirante a aficionado da TV. Ninja zumbi."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *