Em 2021, a marca histórica de doadores argentinos de medula óssea foi superada

Com a intervenção do Registro, foram realizados 71 processos de doação de medula óssea, 33 para pacientes da Argentina e 38 para estrangeiros residentes nos EUA (10), Espanha (8), França (5), Itália (4), Uruguai ( 3). ), Turquia (3), Alemanha (2), Austrália, Bélgica e Chile. Dessa forma, os 60 doadores argentinos alcançados em 2019 serão superados.

Da mesma forma, foram recebidas células para transplante de CTH do exterior para 69 pacientes argentinos de 14 países (Alemanha, EUA, Itália, Reino Unido, Holanda, Turquia, Chile, Brasil, Espanha, França, Israel, Croácia, Portugal e Suécia). .

Cabe destacar que desde 1º de abril de 2003, o Ministério da Saúde Nacional colocou em funcionamento o Cadastro Nacional de CPH no âmbito do INCUCAI, o Sistema de Saúde garante que todos os pacientes argentinos com indicação de transplante possam ser atendidos em nosso país sem a necessidade de viajar para o exterior. A partir dessa data, foi possível que 1.363 pacientes argentinos que não tinham doador compatível em seu grupo familiar tivessem acesso a um transplante de medula óssea com doadores dos Registros. Nesse período, o Registro Argentino forneceu 338 doadores de medula óssea, 195 para pacientes argentinos e 143 para pacientes do exterior.

No final do ano, 102 pacientes argentinos receberão transplante de medula óssea de doadores dos registros. Vale destacar que desde o início da pandemia, por decisão político-sanitária do Ministério da Saúde Nacional por meio do INCUCAI, foi possível dar continuidade à atividade de doação e transplante de medula óssea, garantindo o fornecimento de HPC.

Isso foi possível graças ao compromisso conjunto do Ministério da Saúde da Nação e do INCUCAI com o Ministério das Relações Exteriores, Embaixadas, Direcção Nacional de Migração, Polícia Aeroportuária, Alfândegas, pessoal aeroportuário e empresas de courier, que trabalharam juntos para superar os desafios logísticos, de circulação e de transferência, no quadro das medidas preventivas tomadas face à pandemia, dando resposta aos doentes que necessitam de transplante de medula óssea.

O Cadastro Nacional de CPH tem mais de 300 mil doadores cadastrados e faz parte do Red Mundial World Marrow Donor Association (WMDA) que reúne registros de mais de 63 países e conta com mais de 39 milhões de doadores cadastrados de todo o mundo.

Por que doar?

Todos os anos, centenas de pessoas são diagnosticadas com doenças hematológicas como leucemia, anemia aplástica, linfoma, mieloma, erros metabólicos ou déficits imunológicos que podem ser tratados com um transplante de CTH. No entanto, apenas entre 25 e 30 por cento destes doentes têm a possibilidade de encontrar um dador compatível no seu grupo familiar. O restante deve ir para um doador não relacionado por meio de registros de doadores voluntários, como o Registro Nacional de HCC.

Como doar

Para ser doador, você deve estar em boas condições de saúde, ter entre 18 e 40 anos e pesar mais de 50 quilos. Quem quiser doar pode dirigir-se aos centros de doação, que funcionam nos Serviços de Hemoterapia de 180 centros de doação em todo o país, e no momento de doar sangue, dar o seu consentimento para entrar no Registo.

Chico Braga

"Web enthusiast. Communicator. Annoyingly humble beer ninja. Typical social media evangelist. alcohol aficionado"

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *