Eleições em Portugal: o populista sulfuroso André Ventura avança claramente nas sondagens

Se ficou longe de se qualificar no domingo para a segunda volta das eleições presidenciais portuguesas, o populista André Ventura avançou claramente nas urnas. Sua pontuação marca uma ascensão significativa da extrema direita em um país que, até agora, era uma exceção.

Segundo resultados oficiais quase completos, este hábil e ambicioso provocador quase atingiu o seu objectivo secundário, que era ultrapassar a socialista Ana Gomes para a segunda posição, atrás do conservador moderado Marcelo Rebelo de Sousa, facilmente reeleito.

Mas aos 38 anos, com a barba de três dias e os fatos bem cortados, André Ventura continua a despontar no panorama político português. Este advogado de formação embarcou nesta corrida presidencial apenas um ano depois de entrar no Parlamento, como deputado único do partido anti-sistema “Chega” (“basta”).

A formação que ele mesmo fundou obteve nas eleições legislativas de 2019 uma pontuação de 1,3%, ou 70.000 votos. No domingo, ele obteve 11,9% dos votos e quase meio milhão de votos. “É uma noite histórica em Portugal, que vê a direita se reconfigurar completamente”, disse. Descrito por alguns como “o Trump português”, este católico fervoroso também se impôs no debate público provocando clamor e surfando na polémica.

Controvérsias em série

Por exemplo, defendeu um plano especial de contenção sanitária para as comunidades ciganas, ou propôs que uma deputada nascida na Guiné-Bissau que quisesse devolver obras de arte às ex-colónias portuguesas fosse “devolvida à sua terra natal”. ‘origem’.

André Ventura martelou durante a campanha que queria defender “os bem-intencionados portugueses” contra todo o tipo de “aproveitadores” de um “sistema” que quer transformar a partir de dentro.

Aliado do francês Marine Le Pen e do italiano Matteo Salvini, mas não dos espanhóis do Vox, André Ventura não afirma que Portugal saia da União Europeia.

E, se não parece nostálgico da ditadura fascista que terminou em 1974, é o primeiro a dar tanto eco a ideias até então veiculadas apenas por grupos de extrema-direita.

“O terreno era fértil porque as atitudes populistas contra o sistema, as elites e os políticos são generalizadas”, disse a cientista política Marina Costa Lobo antes das eleições de domingo. “E durante esta campanha eleitoral, André Ventura não procurou atrair todo o eleitorado populista.

Um ex-comentarista esportivo

André Ventura aproveitou assim um enfraquecimento dos dois partidos da direita tradicional, ainda penalizados pela cura de austeridade que impuseram aos portugueses após a crise da dívida de 2011. Carismático, o fundador do “Chega” é também uma personagem contraditória. “Um candidato anti-sistema criado pelo sistema”, segundo uma frase da imprensa local.

Natural dos subúrbios de Lisboa, foi inspector tributário antes de retomar os estudos de direito para escrever uma tese de doutoramento, onde criticava o “populismo penal” e a “estigmatização das minorias”. Construiu a sua notoriedade como comentador de televisão, onde defendeu apaixonadamente como adepto do Benfica Lisboa, o clube de futebol mais popular do país.

Ao mesmo tempo, ascendeu na hierarquia do principal partido de centro-direita, o Partido Social Democrata (PSD), pelo qual foi candidato às eleições municipais de 2017. Foi então que se tornou conhecido do grande público. . , acusando os ciganos de viverem na dependência de benefícios sociais. Derrotado nas urnas e criticado pelo seu próprio campo, deixou imediatamente o PSD para fundar o seu próprio movimento.

Chico Braga

"Web enthusiast. Communicator. Annoyingly humble beer ninja. Typical social media evangelist. alcohol aficionado"

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.