Eleições em Portugal: direita portuguesa procura alternativa ao primeiro-ministro António Costa | Internacional

Paulo Rangel, juntamente com o presidente do PSD, Rui Rio, partiu durante a campanha eleitoral europeia em maio de 2019.PSD

Os partidos mais afetados pelas eleições antecipadas em Portugal estão na oposição. Tanto o Partido Social Democrático (PSD), de centro-direita, única alternativa com opções de governo contra o Partido Socialista, quanto o CDS (Partido do Centro Democrático Social), minoritário, que adiou sua disputa, estavam em completa turbulência interna quando a rejeição do os orçamentos levaram a uma convocação eleitoral. As reuniões legislativas serão realizadas em 30 de janeiro, em vez de 2023. A dois meses da nomeação, o PSD não sabe quem será o candidato a substituir o primeiro-ministro socialista António Costa. Será este sábado em julgamento primário quando cerca de 46 mil militantes vão escolher entre o atual presidente do partido, Rui Rio, ex-prefeito do Porto, e o eurodeputado Paulo Rangel para liderar a formação e se tornar um cartaz eleitoral.

O processo, acelerado pela crise política, tem uma série de peculiaridades. É o candidato Rangel que conta com o apoio do aparelho interno contra o Rio, o atual líder da formação que apela ao “voto livre” da militância para a influência das posições intermediárias do PSD que lhe deram as costas. Mesmo os bons ventos das eleições municipais de setembro, onde o PSD reconquistou os prefeitos de Lisboa e Coimbra, não empurrou o Rio na frente do dispositivo. Algo que determinasse o tipo de campanha que ambos implantaram. O eurodeputado tem realizado inúmeros eventos em todo o país, enquanto o Rio tem optado pelo contacto direto com os militantes, através de chamadas telefónicas e eventos seletivos como esta semana na ilha da Madeira.

A velha guarda do PSD não anunciou publicamente suas filiações, mas quase todos os sinais que deram mostram mais cumplicidade com Rangel do que com o Rio. enfaticamente, o ex-presidente da República Aníbal Cavaco Silva criticou seus partidários por exercerem “uma oposição política fraca, sem rumo, desprovida de uma estratégia para expor os erros, omissões e reprovações do governo”. Até o atual presidente da república, Marcelo Rebelo de Sousa, teve um gesto que muitos interpretaram como um aceno a Rangel — além de uma falta de jeito institucional por parte do chefe de Estado — quando decidiu dar-lhe uma audiência pouco antes foram rejeitados na Assembleia da República dos Orçamentos do Estado para 2022. Quanto ao homem elegante de centro-direita, o autarca de Lisboa, Carlos Moedas, foi flagrado num restaurante com Rangel, a quem definiu como amigo.

O economista Rui Rio, 64 anos, foi prefeito do Porto por mais de uma década e dirige o PSD desde 2018. Da oposição, apoiou as medidas tomadas pelo governo socialista, sobretudo durante a pandemia, e concordou em suprimir os debates quinzenais onde se avaliava a ação do governo na Assembleia da República. Ambos os lados também chegaram a acordo em outros pontos; principalmente para abolir as reivindicações da esquerda, como o Partido Comunista Português, para abolir as propinas nas universidades. Aliás, esta semana é aquela vez de novo com a proposta de montar uma rede de creches com cobertura universal. Nesta campanha primária, o Rio falou claramente sobre seus planos após a eleição: ele estaria disposto a dar um “bloco central” (um acordo que permite a governabilidade) com o Partido Socialista se a aritmética parlamentar assim o exigir. Algo que Rangel ironizou: “Não estou disposto a ser vice-presidente de António Costa”.

O advogado Paulo Rangel, 53 anos, é deputado desde 2009. Antes disso, foi também aliado de Rui Rio quando foi eleito para a Câmara Municipal do Porto em 2002. Naquela época, o Rio convidou Rangel para integrar sua equipe, mas o advogado preferiu continuar a carreira na universidade. Quase duas décadas depois, Rangel rejeitou a oferta do Rio de concorrer à prefeitura do Porto nas eleições de setembro. Em todo esse tempo, não havia nada para adivinhar que os dois se enfrentariam. Ainda menos previsíveis foram as mordidas públicas que foram lançadas. Rio, que falhou em sua tentativa de adiar as primárias após as eleições parlamentares, subestima seu rival. “Como está claro, Rangel não sabia que realizaríamos eleições em janeiro de 2022. Quando apresentou sua candidatura, pensou que teria dois anos para se preparar. Não finalizado [para ser primer ministro]’, afirmou em entrevista à rede de televisão RTP3.

Ambos os rivais convergem ao focarem-se na economia e defenderem a melhoria salarial em Portugal, bem como as reformas estruturais. As receitas não são exatamente as mesmas, embora ambas sejam a favor da redução do imposto. No entanto, as diferenças são maiores em outras questões, como a política social. A portaria da eutanásia – projeto que já foi várias vezes entre a presidência da república, que o vetou, e a Assembleia, que volta a debater – é um dos projetos enfrentados pelos dois candidatos. Rangel defende que um referendo deveria ter sido realizado, enquanto o Rio votou contra. Esta é uma questão que infla as tradicionais divisões entre direita e esquerda, como prova de que o Partido Comunista Português votou contra a sua portaria. Enquanto Rui Rio é colocado no centro, Paulo Rangel é visto como o líder que vai reforçar os valores de direita no PSD, imperturbável pelo passo que deu ao falar publicamente sobre a sua homossexualidade em entrevista à rede de televisão SIC.

Junte-se ao EL PAÍS para acompanhar todas as novidades e ler sem limites.

se inscrever

Acompanhe todas as informações internacionais em o Facebook e Twittero e nosso boletim semanal

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.