Dois mortos em confronto entre Yanomami em reserva invadida por garimpeiros

Junior Hekurari, chefe de uma organização de saúde Yanomami conhecida como CONDISI, disse que o confronto entre as duas comunidades foi fomentado por garimpeiros selvagens que invadiram cada vez mais a reserva nos últimos anos. últimos três anos.

“Com o apoio dos mineiros que lhes forneceram armas, a comunidade de Tirei atacou outra chamada Pixanehabi”, disse Hekurari em entrevista por telefone do estado de Roraima, que faz fronteira com a Venezuela.

Ele acrescentou que cinco pessoas ficaram feridas no tiroteio ao meio-dia de segunda-feira, incluindo um menor, e aguardavam para serem transportados de avião para Boa Vista, capital do estado.

O governo do estado de Roraima disse que era uma questão federal. A agência de assuntos indígenas do Brasil, Funai, não respondeu a um pedido de comentário.

A polícia federal disse não ter conhecimento do tiroteio na área de Xitei, perto da fronteira com a Venezuela.

A maior reserva do Brasil é do tamanho de Portugal e foi criada há 30 anos para proteger o território Yanomami de garimpeiros ilegais, mas os altos preços do ouro e o apoio tácito da extrema direita do presidente Jair Bolsonaro desencadearam uma nova corrida do ouro.

Um relatório divulgado nesta segunda-feira pela associação Hutukara Yanomami revelou um aumento de 46% na mineração descontrolada em relação ao ano passado nos rios da reserva onde vivem cerca de 29 mil Yanomami.

Esse boom levou a doenças, violência e graves abusos de direitos humanos no povo Yanomami que a aplicação da lei não conseguiu impedir sob o governo de Bolsonaro, que defendeu mais exploração. mineração em terras indignas.

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.