Diplomacia da UE elogia ‘ambiente pacífico’ de eleições em Angola

” A A União Europeia toma nota dos resultados das eleições legislativas em Angola publicados pela Comissão Nacional Eleitoral, que: […] foram conduzidos em um ambiente pacífico”, disse a porta-voz da UE para relações exteriores e política de segurança em um comunicado.

Não obstante, “a UE está ciente das queixas da oposição e da sociedade civil sobre certas deficiências no processo eleitoral e convida os interessados ​​a utilizar todos os meios legais para dar resposta às suas preocupações”, sublinhou.

Em nome do Alto Representante da UE, o porta-voz instou as autoridades eleitorais a fazerem todo o possível para lhes dar resposta. [às contestações] de forma justa e transparente”.

“A UE incentiva um diálogo aberto, construtivo e inclusivo entre o governo angolano, os partidos políticos da oposição e a sociedade civil e reconhece que a expressão pacífica de opinião é essencial à democracia”, disse. adicionado.

Na nota, a diplomacia comunitária acrescentou que “a União espera trabalhar com as autoridades eleitas uma vez terminado o processo eleitoral, para reforçar ainda mais a parceria entre a UE e Angola”.

O MPLA venceu as eleições em Angola com 51,17% dos votos, contra 43,95% da União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA), segundo os resultados finais anunciados pela Comissão Nacional Eleitoral (CNE).

De acordo com os dados apresentados, 44,82% dos 14,4 milhões de eleitores votaram, sendo 1,67% dos votos em branco e 1,15% dos votos nulos.

O MPLA obteve 3.209.429 votos, elegeu 124 delegados e a UNITA obteve 2.756.786 votos, garantindo 90 delegados.

Por exemplo, o plenário da CNE nomeou o Presidente da República de Angola, João Lourenço, como chefe da lista do MPLA, o partido mais votado, e a vice-presidente, Esperança da Costa, segundo na lista do MPLA.

Os resultados publicados confirmam os dados preliminares divulgados na sexta-feira que já apontavam para a vitória do MPLA, que luta contra a UNITA.

O Partido da Renovação Social (PRS) é o terceiro partido mais votado com 1,14% do total, elegendo dois deputados, seguido da Frente de Libertação Nacional de Angola (FNLA), também com dois assentos parlamentares e 1,06% dos votos.

O Partido Humanista de Angola (PHA) é a nova formação política do parlamento angolano, começando com dois deputados depois de conquistar uma votação de 1,02%.

A Convergência Maior para a Salvação de Angola – Coligação Eleitoral (CASA-CE), que tinha 16 deputados, perdeu todas as cadeiras, obtendo apenas 0,76% dos votos.

A Aliança Patriótica Nacional (APN) e o Partido da Justiça Nacionalista (P-Njango) são os outros dois partidos concorrentes que não conseguiram ganhar mandatos e ficaram abaixo de 0,50%, devendo ser declarados extintos.

26.488 assembleias de voto distribuídas em 164 municípios correspondentes a 18 províncias do país e 45 assembleias de voto distribuídas pela diáspora (África do Sul, Alemanha, Bélgica, Brasil, Congo, República Democrática do Congo, França, Holanda, Namíbia, Portugal, Zâmbia e Grande Grã-Bretanha).

Leia também: Angola. PAN espera que resultados eleitorais ajudem no combate à corrupção

Seja sempre o primeiro informado.
Escolha do consumidor pelo sexto ano consecutivo e prêmio cinco estrelas para imprensa online.
Baixe nosso aplicativo gratuito.

Nicole Leitão

"Aficionado por viagens. Nerd da Internet. Estudante profissional. Comunicador. Amante de café. Organizador freelance. Aficionado orgulhoso de bacon."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *