Cristiano Ronaldo, suplente no clube e intocável na seleção

Substituindo o Manchester United, “CR7” continua a ser um jogador importante na seleção portuguesa.

A estrela ainda é ele. Confinado a desempenhar um papel secundário no clube esta temporada, Cristiano Ronaldo continua “importante” para a seleção portuguesa que defronta a República Checa no sábado (20:45), em Praga, na penúltima jornada da Liga das Nações.

O atacante de 37 anos, acostumado a marcar incansavelmente minutos e gols desde o início de sua carreira profissional em 2002, agora deve se contentar com o status de reserva no Manchester United.

Dos dez jogos disputados pelos Red Devils durante o ano fiscal 2022/2023, o cinco vezes Bola de Ouro só apareceu como titular três vezes. Em seu lugar, seu técnico holandês, Erik ten Hag, prefere escalar o internacional inglês Marcus Rashford.

Ao começar regularmente à margem, “CR7” vê as suas estatísticas sofrerem um baque. Teve de esperar até à semana passada para marcar o seu primeiro golo esta temporada, uma grande penalidade marcada no relvado do modesto clube moldavo Sheriff Tiraspol (vitória por 2-0) na Liga Europa, um dos poucos jogos em que Ronaldo foi titular.

Mas apesar do pouco tempo de jogo, em Portugal, é unanimidade. Todos contam com ele, a começar pelo técnico Fernando Santos.

VEJA TAMBÉM – os 100e Gol de Cristiano Ronaldo com Portugal

“Também no Euro”

“Acho que ninguém duvida que Cristiano Ronaldo continua a ser importante para a seleção”, afirmou o treinador de 67 anos ao revelar a sua lista para os últimos encontros da Liga das Nações, frente à República Checa e à República Checa. ‘Espanha.

Do alto das suas 189 seleções e sobretudo dos 117 golos, recorde mundial, a superestrela parece ter sempre prioridade na linha de frente do ataque português na cabeça do seu treinador.

Como prova, entre os nomes dos selecionados para este último encontro antes da Copa do Mundo-2022 no Catar (20 de novembro a 18 de dezembro), o do centroavante do RB Leipzig André Silva está ausente.

Fernando Santos só convocou um número nove após o anúncio surpresa, na segunda-feira, da saída internacional do médio Rafa Silva, do Benfica, substituído pelo jovem ponta-de-lança Gonçalo Ramos, das águias, para quem esta é a primeira chamada.

Por seu lado, Ronaldo não esconde a vontade de continuar a aventura pela seleção, pelo menos até ao Euro-2024, altura em que se aproxima dos 40 anos.

“Minha jornada ainda não acabou. Vais ter de apoiar o +Cris+ ainda durante algum tempo”, disse o funchalense esta terça-feira ao receber o prémio Quinas de Ouro para o melhor marcador das seleções, atribuído pela Federação Portuguesa de Futebol (FPF).

“Quero estar presente no Mundial (2022) e também no Euro (2024) já assumo (…) a minha ambição é grande”, acrescentou.

“Ele é excepcional”

“CR7” não parece satisfeito, ele que já disputou nove grandes torneios pela Seleção.

Da mesma forma, não parece disposto a dar lugar à nova geração, simbolizada em particular pelo avançado do AC Milan, Rafael Leão, ainda que reconheça integrar “uma seleção composta por muitos jovens jogadores com um futuro extraordinário”.

Questionado na quinta-feira sobre as declarações de seu capitão, o meio-campista do Wolverhampton, Ruben Neves, não pareceu surpreso.

“De certa forma, já o sabíamos pela sua forma de trabalhar, pelo seu envolvimento, cada vez que é convocado é excepcional (…) estará mais do que pronto para estas competições”, afirmou o jovem de 25 anos -velho jogador.

Segundo colocado em seu grupo, uma distância atrás da Espanha, Portugal precisa somar pontos na República Tcheca se quiser manter suas chances na Final Four antes de um confronto na terça-feira, quando recebe o vizinho espanhol.

Neste contexto, a capacidade de golo de Cristiano Ronaldo pode revelar-se decisiva, já que os portugueses dão a impressão de pecar nesta área na sua ausência.

Em junho, sem ele, os campeões europeus de 2016 sofreram uma derrota na Suíça (1-0) sem conseguir balançar as redes apesar das inúmeras oportunidades.

Por enquanto, a Seleção ainda não encontrou um substituto para o seu antigo craque, cujo instinto goleador lhe permitiu alcançar um impressionante total de 816 gols ao longo de sua carreira.

Aleixo Garcia

"Empreendedor. Fã de cultura pop ao longo da vida. Analista. Praticante de café. Aficionado extremo da internet. Estudioso de TV freelance."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *