Coronavírus: Portugal entra na lista negra devido ao flagelo do vírus | Sociedade

Na passada sexta-feira, o Reino Unido acordou Portugal da sua ilusão com um balde de água fria. A inclusão do país ibérico na lista negra britânica de destinos inseguros tinha alertado Lisboa para a sua nova condição de interdição na Europa devido à gestão da pandemia. Portugal passou em questão de semanas de ser tratado como exemplo – obteve a sede das fases finais da Liga dos Campeões – para ser vetado como destino turístico por uma dezena de países europeus. O motivo: os portugueses têm alguns dos piores números de novas infecções por 100.000 habitantes. Há uma semana apenas o desempenho da Suécia, país que resistiu a um confinamento geral, foi pior na Europa. No último dia 1, o Luxemburgo libertou os portugueses do segundo lugar, mas os números ainda não são muito animadores.

Mais Informações

Os sinais foram se somando. Em primeiro lugar, o governo do socialista António Costa decretou o confinamento obrigatório em 19 bairros da Grande Lisboa devido ao aumento significativo de infeções. Depois, houve uma série de países que mantiveram suas fronteiras fechadas para viajantes de Portugal, incluindo Áustria, Finlândia e Dinamarca (um dos governos regionais deste último chegou a ameaçar funcionários que violam a proibição com demissão). Também países como a Bulgária, a República Checa e o Reino Unido exigem que quem visita Portugal permaneça em quarentena durante 14 dias ou apresente um teste negativo para a doença.

O Professor de Epidemiologia da Universidade de Lisboa, Manuel Carmo Gomes, resume as razões da nova situação da seguinte forma: eles têm que viajar de transporte público. Um dos problemas foi a diminuição da frequência das rotas, mas essa parte já está sendo resolvida”. As empresas privadas de transporte em que existiam ERTE operam nas áreas mais críticas. Só neste mês eles chegaram a um acordo com o governo para operar com 90% de sua capacidade.

Gomes, membro de uma equipa de académicos que aconselha o Ministério da Saúde, acrescenta: “Outro ponto chave é que após a reabertura, os serviços públicos de saúde de Lisboa não foram reforçados, o que permite uma resposta rápida ao registo de novos casos e acompanhamento com agilidade possíveis cadeias de contágio, mas isso é algo que também está sendo resolvido”. O autarca de Lisboa, o socialista Fernando Medina, criticou as autoridades de saúde pela falta de recursos e de pessoal: “Não me parece normal que os testes epidemiológicos sejam interrompidos aos fins-de-semana. O vírus não descansa. Fontes da Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo, zona onde se concentram cerca de 80% das novas infeções no país, asseguram que 30 médicos reforçaram a equipa de choque regional e que há mais 80 em processo. ser integrado. Além disso, acrescentam, estão a ser realizadas campanhas de informação no terreno, apoiadas por líderes das comunidades mais afetadas.

Mais Informações

Total, Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), em Portugal há 44.129 casos de coronavírus e 1.620 pessoas morreram. A taxa de novas infeções por 100 mil habitantes não diminuiu significativamente desde o final de maio em Portugal, segundo dados do Centro Europeu de Prevenção e Controlo de Doenças. Nas últimas duas semanas, manteve-se acima de três infecções diárias por 100.000 habitantes; A Espanha teve menos de um diário. No pior da crise, no final de março, a taxa espanhola chegou a quase 17; a dos portugueses era menos da metade. O médico do Instituto de Saúde Pública da Universidade de Porto Teresa Leão considera que este indicador não é o melhor para se ter uma ideia da situação geral de um país, embora seja o que tem sido tido em conta pela Vizinhos europeus que vetaram Portugal: “O problema deste indicador é que penaliza os países mais pequenos. É como se um incêndio explodisse em uma grande floresta e em uma pequena ao mesmo tempo. Na grande floresta, o fogo levará mais tempo para consumir tudo, embora a resposta em ambas seja a mesma, a menos que as coisas sejam muito mal feitas naquela grande floresta, como nos Estados Unidos.”

O especialista em farmacoepidemiologia e diretor global de uma empresa farmacêutica da região de Oxford, Pedro Caetano, tem uma visão completamente diferente. Já em meados de abril ele havia alertado na imprensa nacional que as taxas de infecções e mortes não eram para lançar foguetes. “A sensação de calma que a propaganda do governo transmitiu é prejudicial, as pessoas relaxam, acreditam que a ameaça desapareceu. Foi o que aconteceu em Portugal, por isso pioraram os números, que antes também não eram bons”, afirma. “O Reino Unido está certo sobre o veto. Portugal, ao contrário de Itália e Espanha, nada mais é do que um fornecedor de sol para os britânicos. Os turistas do Reino Unido que desejam praias seguras podem ir para a Grécia ou Chipre.”

O presidente da Ordem dos Médicos Portugueses, Miguel Guimarães, apontou esta terça-feira no mesmo sentido: “A fase de desconfinamento foi realizada com muito otimismo, excesso de otimismo. A mensagem era que tudo estava bem quando não estava, e isso dá às pessoas mais liberdade em sua obrigação de proteger a si mesmas e aos outros.”

Informações sobre o coronavírus

– Aqui você pode acompanhar as últimas novidades sobre a evolução da pandemia

– É assim que a curva do coronavírus evolui na Espanha e em cada autonomia

– Motor de busca: A nova normalidade por municípios

– Perguntas e respostas sobre o coronavírus

– Guia de ação contra a doença

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.