Coronavírus na Espanha: resumo das notícias de 19 de novembro

A cidade suíça onde ninguém foi vacinado

conhecido como Alftalesta cidade suíça no cantão de Schwyzestá localizado em uma área montanhosa muito perto de Os Alpese tem cerca de 600 habitantes, que somam um total de 0% na taxa de vacinação, um caso único no país e praticamente em Europa.

De acordo com um artigo do jornal abca população que faz parte de uma das rotas europeias do estrada de Santiago, não tem habitantes vacinados, motivo de orgulho para os vizinhosapelidado no resto da Suíça como “Resistência ao coronavírus”.

A Suíça é um dos países com maior ceticismo em relação à vacinaçãona verdade apenas o 65% de seus habitantes receberam a diretriz completa, número baixo, mas insuficiente para refletir os dados que apresenta Alftal. Governo, em inúmeras tentativas de aumentar a porcentagem, envia equipes móveis de vacinação para as partes mais remotas do país, como é o caso desta localidade, onde também é recomendado dia após dia, pelos médicos que lá consultam, que a vacina seja administrada pelo menos aos idosos e de risco, antes da recusa sistemática da população.

Conforme explicado neste artigo, o prefeito da cidade se encarregou de se dirigir aos responsáveis ​​pelos ônibus de vacinação que chegam, com uma mensagem direta e concisa: “Volte por onde você veio. Não há necessidade de vacinas aqui.” Os vizinhos já deixaram claro várias vezes que aproveitam a liberdade de não se vacinar, e acreditam que a medida desesperada de enviar pontos de vacinação móveis para sua cidade é perda de tempo e dinheiro.

No cantão de Schwyz, região a que esta população pertence, a taxa de imunização é notavelmente baixa, próxima de 57%.segundo os historiadores, para um corrente cética em torno de vacinas que já vem de longe, desde o século 19, em torno da vacina do ttuberculose mais concretamente. Um dos geopolíticos mais conceituados do país enfatizou que “Lá, as preocupações com as autoridades da capital costumam ser particularmente grandes.”

Segundo Michael Hermann, cientista político suíço, há uma lacuna ideológica entre as populações urbanas e rurais, uma lacuna aumentada pela crença nas áreas rurais que as vacinas são para “mariquinhas da cidade”. Hermann também acredita que devido ao legado social em termos de atitude e caráter, as correntes políticas que defendem uma ou outra ideia em relação à vacinação, e a perda de prestígio que significaria mudar de opinião na hora de se vacinar, tornam imutável a decisão de cidades como Alpthal desistir da vacina. A única solução susceptível de encontrar o cientista político nesta situação, é o vacinação anônima e secreta desses tipos de população.

Chico Braga

"Web enthusiast. Communicator. Annoyingly humble beer ninja. Typical social media evangelist. alcohol aficionado"

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.