Clubes franceses em copas europeias, sempre o mesmo teto de vidro

Publicado em :

A eliminação inglória do Marselha na quinta-feira, às portas da final da Conferência da Liga Europa, encerra uma temporada europeia decepcionante para os clubes franceses que, do PSG ao OL, enfrentam o mesmo teto de vidro.

Três cartazes para três troféus, seis países diferentes representados, mas não a França. Dos “Big 5” dos campeonatos europeus, apenas a Ligue 1 não conseguiu enviar uma equipa para a final de uma das competições continentais.

Pior ainda, a Holanda, com o Feyenoord Rotterdam, e a Escócia, graças ao Glasgow Rangers, venceram o peão para uma nação que, apesar dos bons resultados dos Blues, luta para competir com seus clubes.

Levará mais um ano para encontrar um sucessor do PSG, o último time francês a vencer a Coupe des Coupes em 1996.

Menos derrotas…exceto em jogos de mata-mata

A forma como o OM caiu para o Feyenoord (derrota por 3-2, depois 0-0) – quando o clube de Marselha tinha “o plantel para vencer o C4”, segundo o seu médio Mattéo Guendouzi – dá o efeito de ressaca.

No entanto, as formações tricolores conseguiram um exercício muito melhor do que o do ano passado. A sinistralidade caiu de 60% para 13%. Na Liga dos Campeões e na Liga Europa, os representantes franceses acumulam 17 vitórias, contra onze um ano antes (com o mesmo número de jogos disputados, ou seja, 38).

Os bons desempenhos do Lille, que terminou no topo do seu grupo C1, ou Lyon e Mónaco, invictos no seu grupo C3, durante algum tempo sugeriram que era possível ter um finalista francês em cada uma das competições. .

“Acho que é o caminho certo”, disse o presidente do OL, Jean-Michel Aulas, no final de março. “‘Para sempre o primeiro’ está sempre na moda conosco”, disse seu colega de Marselha, Pablo Longoria, depois que sua equipe foi transferida do C3 para o C4.

É durante a fase de nocaute que o sapato aperta. Com cinco derrotas em dez jogos em C1 e C3 (ou seja, 50%), a França está menos bem do que a Alemanha (25%), Inglaterra (36%), Itália e Espanha (ambas com 37,5%).

Assim, o PSG parou nos oitavos-de-final do C1, depois de ter sofrido uma “remontada” do Real Madrid, quando o Lyon não chegou às meias-finais do C3, dispensado pelo West Ham. O Mónaco foi eliminado na oitava jornada do C3 pelos portugueses de Braga.

Tal atraso financeiro

Estes resultados refletem-se no relatório anual da polícia financeira do futebol francês (DNCG) para a época 2020-2021, publicado esta quarta-feira: as receitas médias dos clubes L1 (81 milhões de euros) são as mais baixas do “Big 5” europeu , muito atrás dos da rica Premier League (258 milhões de euros).

O “bilhete de entrada” para a Europa, ou seja, o volume de negócios do qual 90% dos clubes participam numa competição continental, ascende a 60 milhões de euros em França, contra 90 milhões de euros em Espanha, 140 milhões de euros em Itália ou 440 milhões euros na Inglaterra.

Um atraso económico que levanta receios de novas épocas de vacas magras para os representantes franceses… Uma das raras satisfações é ter mantido o quinto lugar no índice da UEFA frente a Portugal (sexto), que não brilhou mais esta época.

Manter essa posição permitirá que a França tenha uma terceira passagem direta para o C1 a partir de 2024 – provavelmente justa demais para o próximo ano.

O Rangers teria que vencer o C3 contra o Eintracht Frankfurt, assim como o campeonato escocês pelo terceiro lugar na L1 para dar o direito de jogar na Liga dos Campeões sem passar pelo play-off. Um cenário improvável dado o atraso dos “Gers” (seis pontos) sobre o líder, o Celtic, a três dias do fim.

Com AFP

Chico Braga

"Web enthusiast. Communicator. Annoyingly humble beer ninja. Typical social media evangelist. alcohol aficionado"

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.