Clément Beaune recomenda evitar Portugal e Espanha este verão

A situação da saúde em Espanha e Portugal está a ser escrutinada de perto pelo governo. Entrevistado quinta-feira de manhã no programa Les 4 Vérités, Clément Beaune, secretário de Estado para os Assuntos Europeus, recomendou evitar estes dois destinos nas férias de verão, renovando os seus apelos à cautela. “Estamos acompanhando particularmente a situação de países onde o surto é muito rápido, Portugal, Espanha, Catalunha em particular, onde muitos franceses vão de férias, para festejar”, disse ele. (…) “Vamos decidir nos próximos dias mas podemos ter medidas reforçadas. “Para quem ainda não reservou as férias, evite Espanha, Portugal nos seus destinos”, recomendou.

Entre as hipóteses, profissionais de turismo e viajantes podem esperar que o mapa dos países classificados em verde, laranja e vermelho volte a mudar nos próximos dias. “Um Conselho de Defesa será realizado na segunda-feira”, disse o porta-voz do governo Gabriel Attal na quarta-feira, no final do Conselho de Ministros, reafirmando que “existe o risco de uma quarta onda rápida”. “Estamos a trabalhar em todos os cenários que nos devem permitir travar esta recuperação epidémica no nosso país e é neste sentido que se realizará na segunda-feira um conselho de defesa”, declarou Gabriel Attal. Novas medidas poderiam, portanto, ser anunciadas neste contexto.

A variante Delta está ganhando terreno

Também focando a situação destes dois destinos durante este discurso, Gabriel Attal indicou que em Espanha, “e particularmente na Catalunha, a taxa de incidência explodiu, chegando a 600 entre os jovens, e novas restrições acabam de ser colocadas”. Em Portugal, a variante provocou uma aceleração considerável da epidemia e o país vê-se agora obrigado a recorrer a novas restrições e em particular ao toque de recolher em 35 cidades incluindo as maiores aglomerações do País. Esta variante é formidável, é extremamente rápida, e onde quer que ocorra, pode arruinar o verão. »

Há uma semana o número de casos volta a subir na França, confirmou também Gabriel Attal, um aumento de mais de 20% em sete dias, confirmando a “reversão da tendência” observada desde 30 de junho. A taxa de incidência aumentou 21 %. “Esta situação está ligada, em França como no resto do mundo, à variante Delta, que é muito mais agressiva do que as variantes anteriores e que continua a progredir e hoje representa mais de 40% das contaminações no nosso país”, um indicou Gabriel Attal. Uma parcela que dobrou todas as semanas durante três semanas, sublinhou também.

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.