Cem vasilhas de água para obter um quilo de chocolate

Qual a pegada hídrica que os alimentos têm? / Alex Sanchez

De alimentos a roupas, ambos fazem uso da água em sua produção. A Espanha é o segundo país europeu com a maior pegada hídrica, mas o que é?

Beba um copo d’água, lave roupas, cozinhe, tome banho. Estas são todas as atividades diárias que têm impacto no consumo de água. Uma marca que se reflete na conta do lar e também no planeta.

Em 2050, prevê-se que entre 4,8 bilhões e 5,7 bilhões de pessoas vivam em áreas com estresse hídrico por pelo menos um mês do ano, acima dos 3,6 bilhões atuais. Ir à torneira e ver a água cair é algo comum em muitas cidades, mas não em todas.

A água é um recurso cada vez mais escasso e está presente muito mais do que você imagina. Estima-se que 70% da pegada hídrica global esteja relacionada aos alimentos, segundo a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação.

China, Índia e Estados Unidos são os países com maior pegada hídrica do mundo, respondendo por 38% do consumo de água

Um quilo de chocolate precisa de 17.196 litros de água e um hambúrguer de 2.400 litros. Isso inclui não apenas a água incorporada ao próprio produto, mas também a água que foi contaminada, devolvida ao mar ou evaporada em todos os processos.

China, Índia e Estados Unidos são os países com a maior pegada hídrica do mundo, respondendo por 38% do consumo de água. No entanto, a Espanha não fica muito atrás de acordo com a rede de pegada hídrica, que calcula esses números.

De facto, a Península Ibérica, Espanha e Portugal são os dois países da União Europeia com maior pegada hídrica, com um consumo de quase 13.000 litros (6.900, Portugal; 6.700, Espanha).

mudança na produção

Com as reservas hídricas bem abaixo da média, o conceito de “estresse hídrico” está cada vez mais presente nas agendas dos governos. Apesar das chuvas das últimas semanas, os reservatórios nacionais estão com 48% de sua capacidade, 20 pontos percentuais abaixo da média dos últimos dez anos.

Restrições ao seu uso já surgiram em algumas áreas do sul do país e a preocupação é crescente. No último ano de 2018, são os últimos dados disponíveis no Instituto Nacional de Estatística (INE), o consumo em Espanha deste recurso foi de 118 litros por dia.

No entanto, as famílias não são a principal causa deste ‘esgotamento’. A agricultura ocupa 70% da água que é retirada no mundo, e as atividades agrícolas representam uma proporção ainda maior devido à evapotranspiração das lavouras.

Globalmente, mais de 330 milhões de hectares têm instalações de irrigação. A agricultura irrigada representa 20% da área total cultivada e contribui com 40% da produção total de alimentos em todo o mundo. Entre as hortaliças, abóboras e pepinos estão entre as culturas mais sustentáveis.

Nesse contexto de limitações, o mundo da agricultura trabalha para encontrar estratégias para reduzir o uso de água na produção de alimentos. A irrigação por gotejamento é a mais difundida nos campos espanhóis, mas não é a única tecnologia adaptada a essas terras.

Big data ou análise de dados é uma das novas ferramentas à disposição dos trabalhadores deste setor para, entre outras coisas, monitorar e calcular a quantidade de água que os alimentos precisam. “As fazendas têm que ser sustentáveis ​​e é isso que estamos estudando”, diz Ieltxu Gómez, diretor da Estação Experimental Las Palmerillas de Cajamar.

O trabalho realizado em seus centros com a ajuda tecnológica da IBM mostra que até 13% de água pode ser economizada no cultivo de tomate. “Este campo de favas, em nossa experiência, é irrigado por cinco minutos por semana”, explica ele enquanto colhe um feijão da planta. “Isso é um copo de água.”

“A água é o elemento vital dos ecossistemas (incluindo florestas, lagos e zonas húmidas), do qual depende a nossa segurança alimentar e nutricional presente e futura”, alerta a FAO, que já vinha alarmando há alguns anos sobre o futuro da água a que se confrontam os planeta.

A expectativa é que em 30 anos a população mundial alcance 9 bilhões de pessoas, segundo as Nações Unidas, enquanto a demanda por água crescerá 55%, principalmente no setor industrial.

Chico Braga

"Web enthusiast. Communicator. Annoyingly humble beer ninja. Typical social media evangelist. alcohol aficionado"

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *