Casos arquivados: para onde foram os dois irmãos pedreiros que sumiram sem deixar rastros?

a família de Guilherme e José Duraes da Silva Será que ela encontrará descanso? Passaram vinte e um anos desde que estes dois irmãos portugueses se instalaram no Yvelines por trinta anos, desapareceram. Desde então, nenhum vestígio desses humildes e monótonos pedreiros. Neste dossiê, agora prescrito, os investigadores da Seção de Pesquisa (SR) de Versalhes foram confrontados com uma equação insolúvel, sem corpo, nem índice.

No dia 25 de maio de 2001, em Guilhofrei, no norte de Portugal, as famílias Duraes Da Silva morreram de preocupação. Naquela noite, nem Guilherme nem José, expatriados na região de Paris para trabalhar em canteiros de obras, telefonaram. No entanto, Guilherme liga para seus parentes de uma cabine telefônica todas as noites depois de voltar do trabalho. José, contacta a família três vezes por semana. E naquela noite de sexta-feira, ele havia prometido se juntar a eles, para ouvir um de seus quatro filhos, hospitalizado.

As esposas de Da Silva então incitam Fernando, colega e amigo de Guilherme e José, a descobrir. No domingo seguinte, 27 de maio, Fernando foi à casa dos dois irmãos na estrada de Rambouillet, em Saint-Léger-en-Yvelines. Mas ele encontra a porta fechada, as luzes apagadas e as cortinas fechadas. Ele imediatamente alertou a gendarmeria de Montfort-l’Amaury. Este duplo desaparecimento é imediatamente considerado preocupante pelos gendarmes, que se dedicam a intensas pesquisas.

Primeira página da edição Yvelines do Le Parisien, datada de 2 de junho de 2001. Este é o primeiro artigo a mencionar o desaparecimento de Guilherme e José da Silva em 25 de maio de 2001. LP/Arquivos

Porque os dois irmãos Da Silva não têm interesse em evaporar assim na natureza. “Estavam prestes a receber uma grande quantia em dinheiro e já tinham planeado as férias de verão com as suas famílias em Portugal”, disse uma fonte próxima à investigação.

Uma investigação flagrante é aberta, então uma investigação judicial por sequestro, sequestro e detenção é confiada em 30 de maio a um juiz de instrução de Versalhes. A partir de junho, foi montada uma célula de investigadores da gendarmaria de Rambouillet. Um dispositivo bastante raro em casos de desaparecimento. O Versailles SR foi mobilizado a partir de novembro de 2001.

Relatos de seu último dia divergem

Os gendarmes refazem a rota das duas pessoas desaparecidas. Na manhã de 25 de maio, os irmãos Da Silva, que não tinham licença, foram deixados na estação de Rambouillet por um de seus dois chefes, Elias V. Os dois trabalhadores tiveram que ir, como todas as manhãs, a um canteiro de obras na rue Saint Dominique, em Paris (7º arrondissement), onde se encarregam do assentamento de ladrilhos de gesso. Eles então assumiram bem suas posições?

As evidências diferem neste ponto. A funcionária de um salão de cabeleireiro na rua Saint Dominique afirma ter visto os irmãos Da Silva descarregando equipamentos na entrada do local, por volta das 8h10. Um garçom, ao contrário, afirma não ter visto os dois trabalhadores naquele dia, que, no entanto, veio comer em seu estabelecimento.

O zelador do prédio também não os viu. Uma vizinha chega a afirmar que não ouviu nenhum barulho na obra naquele dia, antes de declarar que encontrou os pedreiros no elevador… A única certeza: os colegas que os encontram no final de cada dia no Montparnasse estação, nunca mais verá esse dia chegar.

Rue Saint Dominique, em Paris (VIIe), 6 de julho de 2022. No dia do desaparecimento, 25 de maio de 2001, Guilherme e José da Silva eram esperados em um canteiro de obras, no sexto andar deste edifício.
Rue Saint Dominique, em Paris (VIIe), 6 de julho de 2022. No dia do desaparecimento, 25 de maio de 2001, Guilherme e José da Silva eram esperados em um canteiro de obras, no sexto andar deste edifício. LP/Caroline Piquet

O que aconteceu com os irmãos Da Silva? Acidente, fuga, suicídio… Esses caminhos são todos explorados e abandonados. Após várias semanas de investigação, os gendarmes mantêm claramente a tese de um ato criminoso. Porque nada na vida privada destes dois homens, regulados como um relógio, permite prever um desaparecimento voluntário.

Seus patrões tiveram que pagar-lhes 800.000 francos

O único problema nesse quadro tranquilo é a disputa entre eles desde 1999 e seus patrões, os irmãos Elias e José V., à frente de uma florescente pequena construtora. José da Silva, que chegou a França em 1971, trabalhava para a V. desde 1974. Guilherme, que emigrou para França um ano depois do irmão, ingressou na empresa em 1985. Os dois homens, tidos como muito sérios profissionalmente, estavam cansados ​​de suas duras condições de trabalho, considerando-se mal pagos.

“Entre os quatro homens, as relações tornaram-se tensas. Os irmãos V. levaram muito mal esta rebelião ”, alerta uma fonte familiarizada com o assunto. “Eles só se comunicaram por carta registrada com aviso de recebimento. Eles trocavam nomes de pássaros regularmente. »

Em setembro de 2000, uma sentença do tribunal do trabalho decidiu a favor dos dois trabalhadores, condenando seus empregadores a pagar entre eles 800.000 francos (cerca de 160.000 euros). Uma soma estratosférica. Os patrões apelam e começam a pagar. Pouco antes dos irmãos Da Silva desaparecerem. “Neste caso, pode-se pensar que os únicos interessados ​​neste desaparecimento eram os seus empregadores”, aponta uma fonte próxima da investigação. Em março de 2004, Elias e José V. são indiciados por “assassinatos” e presos. Cobranças que os dois patrões contestam vigorosamente.

A opulenta residência e a sede da empresa V. são vasculhadas com uma retroescavadeira. As lajes de concreto estão quebradas. Cães especializados na busca de restos humanos são até mobilizados. Nenhum resultado. Por falta de corpos, e de elemento material convincente, os V. são liberados. Eles se beneficiarão de uma demissão.

“Tudo foi analisado. Os gendarmes fizeram um trabalho muito sério. Até foi lançada uma comissão rogatória em Portugal, onde este desaparecimento tem mexido muito. Mas esse desaparecimento continua sendo um mistério”, suspira alguém próximo à investigação.

A vida monástica dos irmãos Da Silva

Guilherme e José da Silva, modestos operários e trabalhadoras, não tinham perfil para desaparecer voluntariamente. A vida diária desses dois homens honestos é de fato regulada como um relógio. Discretos e econômicos, eles levaram uma vida frugal e até monástica na França por trinta anos. “Eles privam-se de tudo para enviar o máximo de dinheiro possível às suas famílias que ficaram em Portugal”, resume fonte próxima da investigação.

Eles parecem não ter vícios. “Eles não têm amantes. Eles não vão a bares, exceto para tomar um café de vez em quando. Eles não fumam. Donas de casa, estes dois irmãos inseparáveis ​​têm como único passatempo, para além da sua vida de trabalho, passeios pela aldeia, ou na lagoa do Vesgre, perto de casa.

Marco Soares

"Leitor. Defensor da comida. Fanático por álcool. Fã incondicional de café. Empresário premiado."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *