Buscas e prisão na investigação de naturalização de Abramovich

A justiça portuguesa realizou várias buscas e prendeu o rabino da comunidade portuense no âmbito de uma investigação sobre a naturalização de descendentes de judeus de que beneficiou o bilionário russo Roman Abramovich, anunciaram as autoridades esta sexta-feira à noite.

A investigação diz respeito a fatossusceptíveis de constituir os crimes de tráfico de influência, corrupção activa, falsificação de documentos, branqueamento de capitais“Ou mesmo evasão fiscal”, especifica um comunicado do Ministério Público. Daniel Litvak, rabino-chefe do Porto, foi preso quinta-feira no Porto quando estava prestes a retornar a Israel, segundo a mídia local. Ele deve ser apresentado no sábado a um juiz que decidirá sobre as medidas de controle judicial que serão aplicadas a ele. A justiça portuguesa abriu em janeiro passado uma investigação sobre o processo de naturalização de Roman Abramovich, proprietário do clube de futebol londrino Chelsea, que obteve a nacionalidade em abril de 2021.

VEJA TAMBÉM – Quando Thomas Tuchel se empolga após uma pergunta sobre Roman Abramovich

O bilionário russo tinha beneficiado de uma lei que permitia a todos os descendentes de judeus sefarditas, perseguidos e expulsos no final do século XV, obter a nacionalidade portuguesa. Ao abrigo desta lei, as comunidades judaicas do Porto ou de Lisboa devem fornecer um certificado que ateste a ascendência judaica. Autoridades destas comunidades são suspeitas de terem emitido certidões falsas sobre a ascendência judaica de vários candidatos, indica em nota de imprensa a comunidade israelita do Porto que refuta estas acusações. Também especifica que esta investigação visa outros procedimentos de naturalização, como o de Patrick Drahi, proprietário e fundador do grupo de telecomunicações e mídia Altice.

A comunidade israelita do Porto diz-se vítima de “denúncias anónimas” destinado a »questionar a honestidade dos procedimentos« de naturalização e acrescenta que já apresentou queixa »para denúncias caluniosas«. Desde que a lei de reparações entrou em vigor há sete anos, mais de 137.000 pedidos de nacionalidade foram apresentados. Portugal concedeu a cidadania a mais de 56 mil descendentes de judeus sefarditas, segundo dados lembrados pela comunidade israelita do Porto.“Judeus de pelo menos 60 nacionalidades diferentes” já beneficiaram desta lei, disse à AFP Michael Rothwell, membro do conselho de administração da comunidade judaica do Porto. por ocasião do sétimo aniversário da lei.

“Acreditamos que Portugal seja atualmente talvez o lugar mais seguro da Europa para os judeus viverem”tinha sublinhado, lamentando, no entanto, o aumento das manifestações »de anti-semitismo em público« com “maior visibilidade da comunidade judaica”.

VEJA TAMBÉM – ‘Uma lenda do clube’: fãs reagem à venda do Chelsea por Abramovich

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.