Bruxelas quer ferrovias europeias com a mesma bitola

Um trem expresso intermunicipal da Deutsche Bahn chega a uma estação em Munique, no sul da Alemanha, em 28 de março de 2022 ( Christof STACHE / AFP/Archives )

Em nome da fluidez do comércio, a Comissão Europeia gostaria que os principais eixos ferroviários do continente fossem ajustados à mesma bitola, para evitar transbordos tediosos para Espanha, Portugal, Estados Bálticos ou Ucrânia.

No âmbito da actualização do seu programa de construção de corredores transeuropeus (RTE-T), a Comissão propôs, no final de Julho, esquecer as ligações previstas para a Rússia e a Bielorrússia. Pelo contrário, pretende integrar a Moldávia e a Ucrânia, trazendo mesmo um desses grandes eixos para o porto de Mariupol, destruído e ocupado por Moscovo.

De acordo com este texto, que será discutido pelos Estados e deputados, Bruxelas quer também que as novas linhas ferroviárias sejam construídas adotando a bitola padrão de 1.435 metros, depois as linhas existentes que fazem parte desses corredores sejam adaptadas a essa bitola, destinado a tornar-se a norma em todo o continente.

As principais linhas ferroviárias da maioria dos países europeus já adotam uma bitola interna de 1.435m (escolhida como padrão na Grã-Bretanha em 1845, e amplamente utilizada em todo o mundo desde então). Também conhecido como “rota normal”.

Trens da empresa russa RZD estacionados nos trilhos em Moscou, 13 de maio de 2022
Trens da empresa russa RZD estacionados nos trilhos em Moscou, 13 de maio de 2022 (Natalia KOLESNIKOVA / AFP/Archives)

Mas outras redes têm bitolas diferentes nas margens do continente, exigindo transbordos ou a utilização de equipamentos complexos quando os comboios têm de seguir viagem: a antiga URSS com os Estados Bálticos, Moldávia, Ucrânia, Bielorrússia e Rússia (1.520 m ), Finlândia (1.524 m), Irlanda (1.600 m) e Península Ibérica (1.668 m).

“A migração para a bitola europeia padrão (…) visa uma melhor interoperabilidade do transporte ferroviário na União e com países terceiros vizinhos”, disse um porta-voz à AFP.

“Rede Europeia Unificada”

“As dificuldades na exportação de cereais ucranianos, ligadas a bitolas ferroviárias atualmente incompatíveis, ilustram a natureza crucial desses esforços”, destacou.

Uma inversão da história, quando ainda se considerava a construção de uma linha de “calibre russo” (1.520 m) através da Eslováquia para ligar a Ucrânia a Viena, na Áustria. Falava-se então em importar mercadorias chinesas mais facilmente por via férrea.

Para além das novas rubricas, os Estados interessados ​​terão dois anos para apresentar um plano de reconversão a Bruxelas, uma vez adoptado o novo programa RTE-T. Eles terão “uma margem de apreciação” e poderão decidir sobre o calendário, insistiu a Comissão. Mas eles terão que justificar uma possível recusa, com apoio da análise socioeconômica.

As plataformas da estação Bordeaux-Saint-Jean, 25 de novembro de 2021
As plataformas da estação Bordeaux-Saint-Jean, 25 de novembro de 2021 (Philippe LOPEZ / AFP/Archives)

“O objetivo de longo prazo é criar uma rede europeia unificada”, diz o texto europeu. A Irlanda, completamente isolada, não está preocupada.

Na prática, a Espanha já construiu suas novas linhas e ligou o porto de Barcelona à França na bitola padrão. No outro extremo do continente, a futura ligação Rail Báltica deve cruzar os três Estados Bálticos de norte a sul e conectá-los à rede polonesa, adotando também uma bitola padrão.

A conversão do resto da rede seria simbolicamente importante, mas difícil de alcançar no curto prazo, dizem o ministro da Infraestrutura da Estônia, Riina Sikkut, e o ministro dos Transportes da Letônia, Talis Linkaits, segundo a emissora pública estoniana ERR.

Se não fala de muito dinheiro, a Comissão balança os subsídios europeus, em nome da eliminação de “barreiras à interoperabilidade”.

Um problema a evitar é o aparecimento de problemas de compatibilidade dentro de um mesmo país, entre corredores europeus reconstruídos em bitola padrão e linhas de interesse local mantendo a bitola do século XIX.

Os 27 devem aproveitar o texto em setembro.

Os finlandeses, cuja rede ferroviária só está ligada às ferrovias suecas por uma única linha no norte do país, já manifestaram seu desacordo. O ministro dos Transportes, Timo Harakka, está pedindo uma isenção, dizendo que mudar o medidor “não seria viável do ponto de vista econômico ou operacional”.

Marco Soares

"Leitor. Defensor da comida. Fanático por álcool. Fã incondicional de café. Empresário premiado."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.