Brasil recebe o coração embalsamado do rei português por ocasião de sua independência

O coração, preservado em formol em uma jarra de vidro em uma urna de ouro, chegou ao palácio presidencial em um Rolls Royce aberto ladeado por um guarda de cor montado e foi recebido pelo presidente Jair Bolsonaro com uma saraivada de armas. Aviões da Força Aérea passaram.

O coração de Dom Pedro I está guardado numa igreja na cidade portuguesa do Porto desde a sua morte em Portugal em 1834. Está pronto para três semanas no Brasil, onde ficará em exibição como parte das comemorações do Aniversário da Independência.

Pedro declarou a independência do Brasil em 1822 e foi coroado “imperador” do Brasil depois que seu pai, o rei João VI, retornou a Portugal após a restauração das monarquias européias após a derrota de Napoleão.

Embora Pedro tenha retornado a Portugal nove anos depois, sua declaração de independência em 7 de setembro de 1822 é saudada pelos nacionalistas brasileiros como o nascimento de seu país.

“Dois países, unidos pela história, unidos por um só coração. Duzentos anos de independência. Para nós uma eternidade em liberdade. Deus, pátria, família!” O presidente brasileiro Jair Bolsonaro disse em um breve discurso.

Críticos de Bolsonaro, que quer ser reeleito em outubro, disseram que ele está usando a relíquia para impulsionar seu movimento político do Dia da Independência quando planeja realizar comícios de campanha.

“Bolsonaro sequestrou nossos símbolos nacionais, as cores da nossa bandeira, a camisa do nosso time de futebol e agora a celebração da independência”, disse a historiadora Lilia Schwarcz no podcast O Assunto. “É um uso mórbido da história”, acrescentou.

Alberta Gonçalves

"Leitor. Praticante de álcool. Defensor do Twitter premiado. Pioneiro certificado do bacon. Aspirante a aficionado da TV. Ninja zumbi."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.