BE apela ao governo para defender o direito à autodeterminação no Sahara Ocidental como na Ucrânia

O BE pede ao governo português que seja coerente na adopção de “atitudes favoráveis ​​à autodeterminação do povo do Sahara Ocidental”, como tem feito com Timor ou Ucrânia, e apela a uma posição forte nesta defesa no contexto europeu.

Uma delegação do BE, composta pela coordenadora do partido Catarina Martins, o fundador Luís Fazenda e o ex-deputado e líder José Manuel Pureza, reuniu-se esta semana com o novo representante da Frente Polisário em Portugal, Omar Mih.

José Manuel Pureza falou à agência Lusa sobre esta reunião solicitada pela Frente Polisário e começou a manifestar a solidariedade do partido para com o povo do Sahara Ocidental, sobretudo numa altura em que “há mudanças nas posições de Espanha, que manifestou “uma posição de convergência com as posições de Marrocos no Sahara Ocidental”.

“É particularmente importante que a solidariedade internacional seja expressa e que os governos dos nossos países, neste caso o governo de Lisboa, exerçam toda a pressão para que o nosso governo, no caso do Sahara Ocidental, seja coerente com o que o seu discurso, que é positivo em benefício da autodeterminação dos povos”, lançou.

Na opinião do líder do bloco, o governo português “manifestou a sua posição muito firme em termos de defesa da autodeterminação do povo ucraniano”, posição com a qual o BE concorda e apoia.

“Mas no contexto, deve adoptar uma atitude que favoreça a autodeterminação do povo do Sahara Ocidental e dos outros povos do mundo que lutam pela sua autodeterminação”, desafiou, recordando o “muito corajoso” posição de Portugal. sobre Timor Leste.

Buscando uma “posição portuguesa mais forte” sobre esta questão no contexto da União Europeia, Pureza disse que o processo de realização do referendo sob os auspícios das Nações Unidas é um processo com décadas de antecipação e “sempre boicotado”. por Marrocos.

“Agora que finalmente é possível, e há muito que já não é o caso, nomear um novo representante do Secretário-Geral das Nações Unidas para o processo do Sara Ocidental, Portugal deve fazer tudo o que estiver ao seu alcance para que o seu mandato termine. com a realização do referendo, o acto de autodeterminação que ainda está pendente graças aos obstáculos que Marrocos sempre levantou”, defendeu.

Em junho, o governo espanhol reiterou que a proposta de Marrocos é a melhor base para a resolução do conflito do Sahara Ocidental, mas salientou que a solução deve ser reconhecida pelas Nações Unidas e aceite por ambas as partes.

O Saara Ocidental é uma ex-colônia espanhola ocupada por Marrocos há 47 anos como parte de um processo de descolonização.

A Espanha há muito argumenta que o controle do Saara Ocidental por Marrocos é uma ocupação e que um referendo apoiado pela ONU deveria ser o caminho para decidir se deve ou não descolonizar a região.

Sánchez defendeu que a nova posição do governo espanhol sobre o Sahara Ocidental está em consonância com a de outros países europeus, como França, Alemanha ou Holanda, e com a dos Estados Unidos.

Em meados de julho, o ministro dos Negócios Estrangeiros João Gomes Cravinho convidou o enviado da ONU ao Sahara Ocidental, Staffan de Mistura, para um encontro em Portugal para debater o processo de “pacificação” naquela região do Norte de África.

“O que queremos enfatizar é nosso apoio ao processo que as Nações Unidas estão desenvolvendo e acreditamos que até o final dessas décadas devemos tentar chegar a um acordo”, disse. salientou na altura, contando à Lusa que Staffan tinha dito que o Mistura “visitará brevemente Portugal”, provavelmente “depois das férias de verão”.

Nicole Leitão

"Aficionado por viagens. Nerd da Internet. Estudante profissional. Comunicador. Amante de café. Organizador freelance. Aficionado orgulhoso de bacon."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.