Bale lança ao País de Gales e Portugal sofre com a Turquia | Esportes

Enquanto a Itália desmoronava, a noite angustiante dos playoffs europeus trouxe Gareth Bale de volta à tona em um campo de futebol, Portugal avançou com sofrimento e a Suécia finalizou a República Tcheca na prorrogação.

3

Diogo Costa, Raphael Guerreiro (Nuno Mendes, min. 87), Danilo Pereira, Diogo Dalot, Fonte, Otavinho (Rafael Leão, min. 88), Moutinho (Matheus, min. 87), Bernardo Silva, Bruno Fernandes (William Carvalho, min. 79), Cristiano e Diogo Jota (João Félix, min. 70)

1

Peru

Ugurcan Cakir, Demiral, Soyuncu, Ozan Kabak, Berkan Kutlu (Serdar Dursun, min. 89), Zeki Celik (Yazici, min. 79), Orkun Kokcu (Tokoz, min. 79), Calhanoglu, Kerem Akturkoglu (Enes Ünal, min. . .65), Yilmaz e Cengiz Ünder

metas 1-0 min. 14: Otavinho. 2-0 minutos. 41: Diogo Jota. 2-1 min. 64: Yilmaz. 3-1 min. 93: Matheus.

Cartões amarelos Zeki Celik (min. 33), Diogo Jota (min. 34), Calhanoglu (min. 68), Demiral (min. 75), Moutinho (min. 85) e Tokoz (min. 95)

Bale tornou-se um herói nacional em Cardiff com o bis contra a Áustria (2-1). Obra-prima da rebatida, seca, forte, a cobrança de falta que abriu o placar fez a bola subir e descer com violência e precisão direto para o canto superior. Ele aumentou a diferença no início do segundo tempo e Sabitzer reduziu aos 65 minutos, mas foi isso. Seu rival na final por uma vaga na Copa do Mundo no Catar será a Escócia ou a Ucrânia, cuja semifinal foi adiada após a invasão da Ucrânia. O País de Gales não disputa uma Copa do Mundo desde 1958. O desafio da seleção britânica assume proporções históricas.

A invasão russa da Ucrânia também afetou outro empate. Com a Rússia suspensa administrativamente, a sua rival no “play-off”, a Polónia, foi diretamente para a final frente à Suécia, que na quinta-feira venceu a República Checa por 1-0 no prolongamento com um golo de Quaison aos 110 minutos.

Com exceção de Didier Deschamps, nenhum treinador na Europa tem mais mantimentos no armário do que Fernando Santos. A variedade e o nível dos recursos de Portugal permitiram ao treinador improvisar soluções deslumbrantes contra a Turquia. Sem Pepe ou Rúben Dias, seus defesas centrais titulares, ambos lesionados, o treinador atrasou Danilo para que acompanhasse Fonte, e no meio-campo dispensou o pivô e deu o comando da equipa a Moutinho e Bernardo Silva. Sem vestígios dos esguios atletas que historicamente povoaram o meio-campo português, Santos redobrou o refinamento de sua aposta ao adicionar Bruno Fernandes como ligação e dois alas diligentes, Jota e Otávio, com múltiplas atribuições. O primeiro, com menos imaginação do que dinamismo, o segundo com trabalho e boa velocidade. Poucos imaginavam coisas mais rápidas do que Otavio, um hábil intérprete do jogo no toque, claro no meio-campo e desequilibrado no último quarto.

Otavio da Silva, nascido no Brasil há 27 anos, internacional canarinho nas categorias inferiores e portugueses nacionalizados, consolidou-se como uma grande revelação da seleção portuguesa. Primeiro empurrando o 1-0 atrás do poste de Bernardo Silva, depois ajudando Jota no 2-0 com um lob que foi o culminar de uma progressão coral que acrescentou Bernardo Silva e Moutinho.

Turquia perde um pênalti

Otávio tornou-se no melhor aliado de Bernardo Silva num jogo que Portugal dominou confortavelmente em todas as ordens, excepto nas transições defensivas. Quando perdia a bola nem sempre antecipava bem, privado como era de um pivô especialista, e havia algumas abordagens perturbadoras que os defesas centrais não souberam desmontar com solvência. Por aquela fenda, o Peru entrou na parede. Superando a incompetência de suas defesas, a desordem no meio-campo, os tiros estrondosos de Cristiano, Jota e Otavio, os turcos puniram Portugal em duas ações relâmpago. Eles fizeram o 2 a 1 depois de uma barreira de Ünder que permitiu a Yilmaz, e estavam prestes a empatar um jogo irremediavelmente íngreme graças à imprudência de Fonte, que cometeu um pênalti em Enes Ünal. A presença de William Carvalho — substituindo o disperso Bruno Fernandes — não evitou o susto. Yilmaz rematou ao lado.

A Turquia não se classifica para uma Copa do Mundo desde sua incrível participação em 2002, quando terminou em terceiro. Instáveis ​​por natureza, os futebolistas turcos exibiram todo o seu repertório de fraquezas emocionais em O Dragão. Permitiram-se terminar o 1-0 sem que nenhum dos seus reconhecidos defesas centrais reagisse a tempo e apenas com a cobrança da reviravolta —impulsionada pela libertação de quem já não tem nada a perder— manifestaram o seu carácter corajoso . O jogo correu então pelo canal um tanto descontrolado que caracteriza essas situações em que cada gesto, cada passagem, cada corrida, parecem produzir consequências irrevogáveis. Nem a entrada de João Félix por Jota no segundo tempo ajudou Portugal a dominar completamente o jogo. Só o gol de Matheus Nunes, aos 94 minutos, aliviou Fernando Santos, que a cada dia estava mais atormentado na lateral.

Você pode acompanhar o EL PAÍS DEPORTES em Facebook S Twitterou cadastre-se aqui para receber nosso boletim semanal.

Chico Braga

"Web enthusiast. Communicator. Annoyingly humble beer ninja. Typical social media evangelist. alcohol aficionado"

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *