Aviso de Lambán aos novos proprietários de Saragoça

Javier Lambán visitou esta quarta-feira a igreja de Santa Isabel de Portugal para reunir-se com os reitores do Conselho das Irmandades e debater alguns dos temas actuais como a entrada de novos accionistas no Real Saragoça, que activou paralelamente a propostas para a construção do novo estádio, nas quais o grupo liderado pelos irmãos cubanos Jorge e José Mas já demonstrou interesse.

Este grupo de empresários, entre os quais Josep Oughourlian, o maior acionista do Grupo Prisa, foi advertido pelo presidente de Aragão, deixando passar o futuro novo campo, centrado no futebol. “O que importa para nós é que esses novos investidores trazer um novo modelo esportivo que seja competitivo e bem-sucedidoe isso leva a Saragoça onde tem de estar”.

“O Real Zaragoza, um dos clubes com a história mais brilhante do futebol espanhol, passou 16 anos e o melhor que se pode dizer deles é que são esquecíveis. São 16 anos de infortúnios contínuos. Agora abre-se uma etapa com o novo investidor que adquiriu a maioria das ações. A primeira coisa que se deve pedir a este investidor, e o que espera a grande maioria dos adeptos do Saragoça, é que apresenta um projeto esportivo solvente e competitivo para a equipa regressar à Primeira Divisão e, além disso, fazê-lo em lugares de destaque, o que corresponde a uma história desportiva tão brilhante como a do Real Zaragoza.

No que diz respeito à construção da nova Romareda, Lambán assegurou que o seu Governo não vai entrar “no jogo das localidades” e espera que lhes seja apresentado um projecto completo, “uma ideia acabada do que será a nova campo, e que inclui fundamentalmente a decisão de Como será financiado e quem o financiará?. E tudo isso com luz e estenógrafos, com muita transparência e clareza”.

Segundo o Chefe do Executivo, é fundamental que as decisões acima referidas sejam tomadas “para apoiar uma decisão desta natureza e, claro, é É absolutamente essencial que futebol, política e negócios não se misturem” porque essa mistura é “letal”.

Futebol e política são “óleo e água” e dessa união “os desastres sempre saem no sentido mais literal da palavra”, disse Lambán, que afirma não ter recebido propostas de locais como o Estacionamento Norte, um dos quais contempla e cujo terreno pertence à DGA. “Ninguém nos disse nada. e insisto que não vamos entrar no debate de localização, que é uma questão que faz parte de um projeto conjunto”.

“Para mim é mais importante saber como vai ser financiado, quem vai desligá-lo e que tipo de campo será construído, se é um estádio para uso do Real Zaragoza ou para toda a cidade” , salientou Lambán, que comentará o projeto quando estiver “concluído” e considera que a localização é quase “secundária” porque o importante é de onde virá o dinheiro com que se fará o novo coliseu e saber “a dimensão exata de seus usos sociais” para depois tomar uma decisão.

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.