Autoridade da ONU usa palavra ‘apartheid’ pela primeira vez para descrever situação dos palestinos

NOVA YORK: Um investigador nomeado pela Organização das Nações Unidas (ONU) acusou Israel do crime de apartheid nos territórios palestinos ocupados. É a primeira vez que um funcionário da organização usa o termo para descrever o que outros órgãos de vigilância internacionais disseram ser uma luta por direitos iguais, em vez de uma disputa de terras.

Michael Lynk, relator especial e especialista independente nomeado pelo Conselho de Direitos Humanos da ONU, é responsável por investigar violações de direitos humanos nos territórios palestinos ocupados desde 1967.

“Cinco milhões de palestinos apátridas estão atualmente desprivilegiados e vítimas de subjugação aguda, sem perspectiva de autodeterminação ou um estado independente viável, apesar da comunidade internacional prometer isso repetidamente a eles”, disse Lynk antes da publicação de um relatório completo sobre seu mais recente relatório. investigações.

O sistema de justiça de dois níveis de Israel na Cisjordânia reforçou a opressão aos palestinos que não pode mais ser vista como uma consequência não intencional da ocupação temporária, disse ele.

“As diferenças nas condições de vida, bem como nos direitos e benefícios da cidadania, são gritantes, profundamente discriminatórias e mantidas por um repressão sistemática e institucionalizado”, diz o Sr. Lynk em seu relatório.

Ele descreve uma situação em que vivem a comunidade judaica israelense e os palestinos dos territórios ocupados “sob um regime único que distribui direitos e benefícios de acordo com a identidade nacional e étnica, além de garantir a supremacia de um grupo sobre o outro e em detrimento deste.

Esse sistema “dota um grupo racial, nacional e étnico de direitos, benefícios e privilégios substanciais, enquanto força outro grupo a viver atrás de muros, postos de controle e sob regime militar permanente. Isso atende aos critérios para a existência do apartheid.”

Outros órgãos de vigilância internacionais já haviam acusado Israel de implementar políticas semelhantes ao apartheid de “dominação e opressão” nos territórios ocupados.

A Anistia Internacional é a mais recente defensora dos direitos humanos a acusar Israel de impor um sistema de apartheid ao promulgar leis e práticas que buscam manter um “sistema de controle cruel que divide os palestinos geograficamente e politicamente, os empobrece com frequência e os torna prisioneiros do medo e da insegurança “.

Embora os órgãos de direitos humanos palestinos e israelenses tenham se referido à situação nos territórios ocupados como “apartheid” por muitos anos, o termo tornou-se cada vez mais proeminente no discurso internacional sobre o conflito israelense. -Palestina nos últimos meses. Em uma recente reunião do Conselho de Segurança da ONU, o enviado palestino da ONU, Riyad Mansour, usava uma máscara preta que dizia: “Acabe com o apartheid”.

“Este Conselho pode não estar pronto para usar a palavra, mas o apartheid tem sido – há algum tempo – nossa realidade”, disse ele aos membros do Conselho.

As autoridades israelenses acusaram repetidamente a ONU de produzir relatórios tendenciosos. Eles disseram que era injusto transferir a culpa para Israel sem considerar os desafios de segurança que o país enfrenta e as ameaças diárias que os grupos armados palestinos representam para seus cidadãos.

Este texto é a tradução de um artigo publicado no Arabnews.com

Chico Braga

"Web enthusiast. Communicator. Annoyingly humble beer ninja. Typical social media evangelist. alcohol aficionado"

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.