As eleições em Portugal não estão a dar lugar às mulheres

Lisboa – Apenas dois dos nove partidos com representação parlamentar em Portugal propõem candidaturas para liderar o governo, e a presença de mulheres no topo das listas nos vários círculos eleitorais é ainda uma questão pendente nas formações maioritárias.

Catarina Martins, do Bloco de Esquerda (BE), e Inés Sousa Real, do PAN, a favor dos animais, lideram os seus partidos e disputam o cargo de chefe de governo nas eleições parlamentares do próximo domingo, dia 30, embora não tenham hipóteses de o alcançar porque seus grupos são minoria.

As duas grandes formações, o Partido Socialista e o conservador PSD, liderados por António Costa e Rui Rio respectivamente, colocaram 16 homens e 6 mulheres no topo da lista dos diferentes distritos. Em ambos os casos, as mulheres representam 27,2% do número um.

Nas últimas quatro legislaturas, os partidos já tiveram o dever de aderir à lei eleitoral da paridade, que exige que pelo menos 40% das listas sejam compostas por mulheres.

A cota de 40% é atendida por todas as partes; no entanto, apenas um tem o mesmo número de homens e mulheres no topo da lista. É o Bloco de Esquerda (BE), que tem 11 homens e tantas mulheres quanto o topo da lista.

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.