António Costa: O desentendimento entre a esquerda abre uma crise política em Portugal | Internacional

O primeiro-ministro de Portugal, António Costa, chega ao Conselho Europeu de Bruxelas no dia 22.HOSLET / PISCINA OLIVIER (EFE)

Custa menos aos socialistas portugueses juntar forças à esquerda para derrubar o governo de Pedro Passos Coelho em 2015 do que acordar agora com os mesmos grupos os Orçamentos Gerais do Estado para 2022. Pelo menos isso é evidente nas negociações três dias antes a primeira votação dos orçamentos, marcada para quarta-feira, 27. Os contactos realizados este sábado entre o primeiro-ministro, António Costa, e os dirigentes do Bloco de Esquerda (BE), Catarina Martins, e do Partido Comunista de Portugal (PCP), Jerónimo de Sousa, não parecem ter aligeirado o caminho. cercado de espinheiros para o Executivo Socialista. Após a reunião de domingo da mesa nacional do Bloco, Martins anunciou que vão votar contra o projecto orçamental “se nada mudar”, embora tenha especificado que vão continuar a negociar. O Bloco repetiria assim a posição negativa que já tinha em relação às contas de 2021.

A decisão do PCP, que também se reuniu no domingo com a sua comissão central, será anunciada esta segunda-feira em conferência de imprensa oferecida por De Sousa. Em 2021, foram o PCP e a minoria e ambientalistas de Los Verdes e Gente, Animais, Natureza (PAN) que permitiram que o projeto orçamentário do Governo fosse realizado com a sua abstenção. Em 2020 os socialistas salvaram o processo graças à abstenção do PCP e do BE. O Partido Socialista (PS) tem apenas 108 deputados numa Câmara de 230 lugares, mas o apoio do Bloco (18 deputados) ou do PCP (12) bastaria para dar luz verde ao Orçamento.

O mais paradoxal do atual momento político em Portugal é que quase ninguém quer uma crise que leve a eleições antecipadas num ano em que o país vai receber uma chuva de fundos do Plano de Recuperação e Resiliência da União Europeia. O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, não o quer. Ele poderia convocá-los se a aprovação dos orçamentos falhar, mas que continuamente clama por estabilidade: “Continuo esperando a possibilidade de que os Orçamentos Gerais sejam aprovados. Mantenho o mesmo desejo e a mesma expectativa. Eu tenho apenas um cenário na minha cabeça e não vou especular sobre outros.” Se aprovado, ele disse neste fim de semana, economizaria “muitos custos, muitos problemas e algumas preocupações”.

Nem o Partido Socialista, que teme que sua perda de prefeituras nas últimas eleições municipais seja o primeiro alerta de uma mudança de ciclo no país, nem seu principal rival, o conservador Partido Social Democrático (PSD), o beneficiário teórico, quer uma eleição antecipada da crise socialista, mas que atualmente vive sob estresse devido ao processo de eleição de seu próximo líder. Tampouco os partidos de esquerda enfrentam calmamente um avanço eleitoral. As eleições municipais significaram um retrocesso para o PCP, organização com implantação local histórica, e a irrelevância do Bloco nas câmaras municipais, que mal conseguiu conquistar vereadores. A isso se somaria a incógnita de quanto seus eleitores os penalizariam nas urnas se os culpassem pelo avanço eleitoral.

O governo português redobrou esta semana esforços para satisfazer a esquerda com a aprovação de medidas nas áreas da saúde, emprego, pensões e cultura, mas não parece que tenham servido para convencer os seus ex-parceiros da chamada lowonça, como foi batizada a aliança entre as três formações que provocou a saída do governo Passos Coelho em 2015. Na quinta-feira, enquanto o primeiro-ministro participava no Conselho Europeu de Bruxelas, um Conselho de Ministros que durou 10 horas aprovou o novo Estatuto do Serviço Nacional de Saúde, que regulamenta a exclusividade dos profissionais para que não trabalhem em paralelo na sector (na primeira fase limita-se a médicos com responsabilidades de serviço), e diversas medidas laborais como a melhoria da indemnização por despedimento em alguns tipos de contrato (de 18 para 24 dias por ano) ou o aumento da remuneração das horas extraordinárias que exceda 120 horas extras por ano. Além disso, foi dada luz verde ao Estatuto Profissional para o setor da cultura, também reivindicado pela oposição de esquerda, e há uma semana foi aprovada outra medida destinada a satisfazer o PAN: a proibição de menores de 16 anos assistirem a touradas. Touros.

Costa não só não conseguiu o efeito desejado, como irritou os patrões a ponto de baterem a porta na Comissão Permanente de Coordenação Social, onde se sentam com o Governo e os sindicatos. Quatro organizações empresariais anunciaram que suspenderiam a participação na comissão depois de o Governo ter aprovado estas reformas, que não estavam previstas na comissão com os agentes sociais. António Costa foi obrigado a pedir desculpa aos empresários pelo “fracasso” no procedimento seguido.

Junte-se ao EL PAÍS para acompanhar todas as novidades e ler sem limites.

se inscrever

Outras medidas de grande alcance anunciadas nos últimos dias pelo primeiro-ministro foram o anúncio do aumento do salário mínimo em 40 euros para 2022 (seria 705 euros), a melhoria das pensões e creches gratuitas, três reivindicações comunistas. O limite das transferências socialistas é colocado em manter “as contas certas” (as contas corretas). Ou seja, alinhar o orçamento com os valores exigidos pela ortodoxia fiscal de Bruxelas. A previsão para 2022 é de crescimento econômico de 5,5%, déficit de 3,2% e dívida pública de 123% do PIB. Perante o previsível fracasso da votação de quarta-feira, Costa anunciou a sua vontade de continuar a governar, embora a decisão de convocar eleições dependa do Presidente da República.

E crise à direita

Uma das poucas coisas que podem tranquilizar António Costa nestas semanas é que o seu principal adversário, o Partido Social Democrata (PSD, centro-direita), está mais consciente da sua crise interna de liderança do que da fraqueza socialista. A convocação de eleições antecipadas neste momento pegaria o partido conservador com o pé esquerdo, levando em conta que até 4 de dezembro não se saberá quem será o próximo presidente do partido. Nessas eleições estão presentes o atual presidente e ex-presidente da Câmara do Porto, Rui Rio, e o eurodeputado Carlos Rangel. Os ex-aliados do Rio já apoiaram abertamente Rangel, então uma corrida deselegante para angariar apoio está prevista para as próximas semanas. “No curto espaço de três semanas, uma incompreensível tendência autofágica causou divisões internas que o bom senso aconselharia evitar em um período tão favorável para o nosso partido”, reconheceu o próprio Rio na semana passada, quando anunciou sua candidatura.

Apesar de as eleições autárquicas realizadas no final de Setembro terem trazido uma alegria inesperada ao PSD, que arrebatou as autarquias do Funchal, Coimbra e Lisboa ao Partido Socialista, o seu actual líder não tornou a vitória rentável. Em vez de fortalecê-lo, as eleições locais parecem ter erodido ainda mais Rui Rio, incapaz de transformar o inesperado triunfo do ex-comissário europeu Carlos Moedas em Lisboa após 14 anos de governos socialistas em uma vitória própria. Rio é questionado sobre sua tímida oposição aos socialistas e eles dificilmente aplaudem a sabedoria estratégica de apostar na coalizão com outros partidos pela direita para oferecer um bloco eleitoral compacto. A decisão foi fundamental para os seus triunfos em Coimbra, Funchal e Lisboa, onde Moedas também se juntou a inúmeros independentes.

Acompanhe todas as informações internacionais em o Facebook e Twittero en nosso boletim semanal.

Chico Braga

"Web enthusiast. Communicator. Annoyingly humble beer ninja. Typical social media evangelist. alcohol aficionado"

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.