Aldeões combatem chamas em Portugal

BEMPOSTA, Portugal – Mais de 3.000 bombeiros apoiados por cidadãos portugueses determinados a salvar suas propriedades estavam lutando contra incêndios florestais em todo o país nesta quinta-feira, alimentados por temperaturas extremas e condições de seca atribuídas às mudanças climáticas.

O coração do país foi particularmente atingido por uma série de incêndios nesta semana. Na aldeia da Bemposta, os moradores usaram mangueiras de jardim para molhar os seus relvados e os telhados das suas casas, na esperança de os salvar do muro de chamas que os aproxima.

“Começou a se espalhar (para a direita), o vento estava soprando em direção às montanhas”, disse o morador Antonio Carmo Pereira, de 88 anos, apontando para as chamas perto da aldeia. Eu podia ver tudo, depois de alguns minutos não conseguia ver nada, apenas fumaça.

“Sim, é perigoso. Ela envolve todas as casas, acrescentou. Estou com medo, mas o que posso fazer? Saltar para um tanque de água? Deixe-me ficar aqui para ver.”

Mais de 800 bombeiros ainda lutavam na manhã desta quinta-feira no distrito de Leiria, que inclui a Bemposta.

Esperava-se que o mercúrio chegasse a 44 graus Celsius no interior do país, enquanto uma massa de ar quente que chega da África fica estagnada acima da Península Ibérica. Em junho, 96% de Portugal foi considerado afetado por uma seca “extrema” ou “grave”.

Ar quente, solo ressequido e vento são as condições perfeitas para a ocorrência de incêndios florestais graves.

O primeiro-ministro português, António Costa, disse esta quinta-feira que o seu governo vai prolongar o estado de alerta para incêndios florestais até domingo, com previsão de tempo muito quente por mais alguns dias.

O estado de alerta terminaria na sexta-feira. O governo bloqueou temporariamente o acesso às florestas consideradas de maior risco, além de proibir o uso de máquinas agrícolas e fogos de artifício.

Costa revelou que os bombeiros tiveram que responder a 200 incêndios diferentes na quarta-feira e pediu aos seus concidadãos que tenham um alto grau de cautela.

“Mais do que nunca, somos nós que temos que ter muito cuidado”, disse Costa. Uma pequena imprudência pode causar uma grande tragédia.”

Cerca de 100 quilómetros quadrados de terreno foram incinerados desde o início da semana em Portugal, segundo a agência de proteção civil. Quase mil pessoas foram forçadas a evacuar nos últimos dias, mas a maioria voltou para casa na quinta-feira. Mais de 30 casas e outras estruturas foram danificadas.

O comandante da proteção civil, André Fernandes, disse que 160 pessoas, incluindo 70 bombeiros, ficaram feridas até agora, mas nenhuma vítima foi relatada até agora. Quatro pessoas, incluindo dois bombeiros, ficaram gravemente feridas.

Portugal tem uma longa experiência de incêndios florestais mortais, especialmente em 2017, quando as chamas mataram uma centena de pessoas. Desde então, o país melhorou sua gestão florestal e suas estratégias de combate a incêndios. Portugal registou no ano passado o menor número de incêndios florestais desde 2011.

Líderes da União Européia alertaram na semana passada que o aquecimento global é responsável pelo verão muito quente e seco que o continente vem experimentando até agora. Eles pediram aos líderes locais que se preparassem para os incêndios florestais.

A vizinha Espanha continuou nesta quinta-feira a combater um incêndio provocado por um raio na segunda-feira na região de Las Hurdes, no centro-oeste do país. As chamas destruíram até agora cerca de 35 quilômetros quadrados de terra.

O mercúrio está acima de 40℃ há vários dias na Espanha, e a situação deve continuar pelo menos até a próxima semana.

Na França, dois incêndios ainda estavam descontrolados na região de Bordeaux, no sudoeste do país, apesar dos esforços de mil bombeiros e do envio de aviões-tanque para combatê-los.

As chamas consumiram cerca de 40 quilômetros quadrados de floresta e pastagens na área, disseram autoridades. O vento violento e o difícil acesso ao centro dos incêndios complicam a tarefa dos bombeiros.

Mais de 6.000 pessoas foram evacuadas de acampamentos e vilarejos nos últimos dias.

Na Hungria, bombeiros encontraram um corpo na manhã de quinta-feira nas ruínas queimadas de uma casa de fazenda cujo telhado desabou. Um pequeno incêndio florestal queimou na área rural durante a noite.

Isabela Carreira

"Organizador sutilmente encantador. Ninja de TV freelancer. Leitor incurável. Empreendedor. Entusiasta de comida. Encrenqueiro incondicional."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *