A meditação da atenção plena pode reduzir a culpa, levando a consequências sociais negativas não intencionais, segundo estudo

A meditação da atenção plena é uma prática de gerenciamento de estresse com uma linhagem antiga que cultiva a consciência sem julgamento do momento presente, muitas vezes chamando a atenção para as sensações físicas da respiração. Originalmente inspirado por práticas budistas centenárias de combinar filosofias e meditações, hoje uma versão secular de mindfulness – consistindo apenas em meditações – está se tornando cada vez mais popular.

Existem aplicativos de telefone que ajudam a gerar autoconsciência, e muitas grandes empresas estão incorporando programas de treinamento de atenção plena em seus programas. Mas pode haver uma desvantagem imprevista nas práticas seculares de meditação mindfulness, de acordo com uma nova pesquisa conduzida pela Foster School of Business da Universidade de Washington e publicada na revista científica Revista de Personalidade e Psicologia Social.

“A meditação pode reduzir os sentimentos de culpa, limitando assim reações como a generosidade que são importantes para os relacionamentos humanos”, disse o principal autor Andrew Hafenbrack, professor assistente da Foster School que estuda a atenção plena.

Os pesquisadores queriam saber como a meditação da atenção plena reduz emoções negativas, como raiva e culpa.

“As emoções negativas podem não ser agradáveis, mas podem nos ajudar a navegar em situações sociais e manter relacionamentos”, disse Hafenbrack.

“Se alguém fica realmente bravo e grita com seu chefe ou algo assim e é demitido ou faz as pessoas se sentirem inseguras, então você sabe que isso é uma coisa ruim”, disse Hafenbrack. “No entanto, nem todas as emoções negativas são iguais em termos dos tipos de comportamentos que provocam. »

Quando as pessoas se sentem culpadas, tendem a se concentrar nos outros, o que pode promover ações restaurativas.

“Meditar por curtos períodos é uma ferramenta que pode ajudar as pessoas a se sentirem melhor, como tomar uma aspirina quando estão com dor de cabeça”, disse Hafenbrack. “Como pesquisadores, temos a responsabilidade de compartilhar não apenas os muitos efeitos positivos da meditação, mas também os efeitos colaterais não intencionais, como a possibilidade de ocasionalmente relaxar a bússola moral de alguém. »

Para entender melhor as práticas de meditação, os pesquisadores realizaram oito experimentos com mais de 1.400 participantes nos Estados Unidos e Portugal. Os participantes variaram para cada experimento – alguns eram adultos americanos recrutados online, alguns eram estudantes de pós-graduação cursando universidade em Portugal, enquanto outro grupo era formado principalmente por estudantes de graduação da Wharton School of Business.

Em seu primeiro estudo, os pesquisadores demonstraram que a atenção plena reduz os sentimentos de culpa. Os participantes foram aleatoriamente designados para escrever sobre uma situação passada que os fez se sentir culpados ou escrever sobre o dia anterior. Em seguida, eles ouviram uma gravação de meditação de atenção plena guiada de oito minutos, que lhes pedia para se concentrar nas sensações físicas da respiração, ou uma gravação de condição de controle de oito minutos, na qual eram solicitados a deixar suas mentes vagar. espírito. Os participantes que ouviram a gravação da atenção plena relataram sentir-se menos culpados do que aqueles no grupo de controle de divagações mentais. Era verdade se eles escrevessem sobre uma situação de culpa ou sobre o dia anterior.

A equipe então conduziu mais seis experimentos para testar se a meditação da atenção plena influenciaria comportamentos restauradores pró-sociais, como se reconciliar com um amigo depois de fazer algo que causou danos.

Por exemplo, em dois experimentos, todos os participantes foram solicitados a relembrar e escrever sobre um momento em que ofenderam alguém e se sentiram culpados, antes de serem aleatoriamente designados para meditar ou não. Depois disso, eles foram solicitados a alocar hipotéticos US$ 100 entre um presente de aniversário para a pessoa que ofenderam, uma instituição de caridade para vítimas de enchentes na África e eles mesmos. Os participantes que meditaram alocaram cerca de 17% a menos para a pessoa que prejudicaram em comparação com aqueles que não meditaram.

O processo psicológico por trás dessas diferenças de alocação foi a redução da culpa. Esses experimentos e três semelhantes estabeleceram que a meditação da atenção plena reduz a tendência de se redimir por ferir os outros.

“Esta pesquisa serve como uma nota de advertência para pessoas que podem ser tentadas a usar a meditação da atenção plena para reduzir emoções desagradáveis, mas necessárias para apoiar pensamentos e comportamentos morais”, disse a coautora Isabelle Solal, professora assistente da ESSEC Business School em Cergy. -Pointoise, França.

Embora a meditação de respiração focada seja a forma mais popular de meditação, usada em programas de atenção plena, como a abordagem de redução de estresse baseada em atenção plena e a pesquisa no Google Inside Yourself, o estudo também explorou a meditação da bondade amorosa, que também aparece nesses programas. A meditação da bondade amorosa consiste em exercícios de imagens em que se evoca outras pessoas e envia desejos para que todos sejam felizes, saudáveis ​​e sem dor.

No experimento final, os participantes escreveram novamente sobre um momento em que haviam ofendido alguém e se sentiram culpados, antes de ouvir uma gravação de meditação de atenção plena na respiração focada ou uma gravação de meditação de bondade amorosa. Os participantes do grupo de bondade amorosa relataram maiores intenções de entrar em contato, pedir desculpas e se reconciliar com as pessoas que prejudicaram em comparação com os participantes do grupo de meditação focada na respiração. A diferença foi explicada pelo aumento do foco dos participantes nos outros e nos sentimentos de amor.

“Nossa pesquisa sugere que a meditação da bondade amorosa pode permitir que as pessoas experimentem os benefícios de redução do estresse da meditação sem o custo de redução do reparo, pois aumenta o foco nos outros e nos sentimentos. de amor”, disse o coautor Matthew LaPalme, que era pesquisador. cientista da Universidade de Yale e agora trabalha na Amazon.

O estudo foi publicado online pela primeira vez a 23 de dezembro de 2021. A investigação contou com o apoio da Católica-Lisbon School of Business and Economics, da Fundação Portuguesa para a Ciência e Tecnologia, do Wharton Behavioral Lab, do INSEAD e da University of Washington Foster School.

Chico Braga

"Web enthusiast. Communicator. Annoyingly humble beer ninja. Typical social media evangelist. alcohol aficionado"

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.