a marinha portuguesa nega ter encontrado o corpo do aventureiro girondino

Ao contrário do que tinha anunciado na véspera, a marinha portuguesa afirma este 23 de janeiro que não encontrou o corpo de Jean-Jacques Savin a bordo da sua canoa. O francês tentava atravessar o Atlântico a remo. A promotoria de Bordeaux abriu uma investigação por um desaparecimento preocupante.

O corpo de Jean-Jacques Savin, um septuagenário que partiu para enfrentar o Oceano Atlântico remando a bordo de uma canoa, acabou não sendo encontrado. A marinha portuguesa desmentiu, domingo, 23 de janeiro, a triste notícia que havia comunicado, na véspera, a comitiva do aventureiro de Arès em Gironde, na bacia de Arcachon.

Seu barco foi visto virado no oceano.

A busca terminou ontem no final do dia [samedi 22 janvier, NDLR] sem ser possível encontrar a vítima“explicou a Marinha Lusitana, depois de encontrar o barco de Jean-Jacques Savin ao largo do arquipélago dos Açores (Portugal).

A promotoria de Bordeaux abriu uma investigação na segunda-feira, 24 de janeiro, por um desaparecimento preocupante.

Este comunicado de imprensa contradiz os familiares do navegador de 75 anos que anunciou sua morte em 22 de janeiro. Eles então alegaram que seu corpo havia sido “encontrado sem vida” em sua canoa, batizado O ousado.

Questionada em 23 de janeiro pela AFP, a porta-voz da marinha portuguesa especificou que os socorristas tiveram “fortes razões para acreditar que um corpo poderia estar dentro” durante a operação de resgate.

Contactada, a equipa girondina, que ficou em França, disse a si própria “com nojo“pela publicação na imprensa do barco devolvido encontrado pelos portugueses, ainda antes de os familiares terem sido informados pelas autoridades da sua descoberta.

Houve algumas confusões que estamos tentando esclarecer. Não sabemos mais. Aguardamos informações das autoridades portuguesas“, responde a equipe girondina, que permaneceu na França. Não recebeu nenhum sinal de vida de Jean-Jacques Savin desde sexta-feira, 21 de janeiro, às 00h34, após o acionamento de duas balizas de socorro, um sinal de “grande dificuldade“.

O primeiro navio da marinha mercante a chegar à posição de origem do alerta”disse que viu o barco e o navegador na madrugada de sexta-feira, 21 de janeiro, mas quando se aproximou do barco indicou que o homem não estava mais lá“.

Um dos navios mercantes recolheu uma bolsa impermeável que continha os documentos de identificação do navegador dentro“, acrescentou a marinha lusitana. Durante os últimos contactos, Jean-Jacques Savin tinha parado para reparar a sua canoa entre os dois arquipélagos portugueses da Madeira e dos Açores, a norte do primeiro.

Os maus ventos confundiram o aventureiro pouco depois de sair de Sagres (Portugal) a 1 de Janeiro, alargando o seu percurso em cerca de 900 quilómetros. Ele também encontrou sérios problemas de energia e comunicação.

Quarta-feira, 19 de janeiro, em sua página no Facebook, Jean-Jacques Savin alertou sobre o “forte ondulação e força do vento“, acrescentando que foi obrigado a“usar [son] aguadeiro manual“.”Custa-me energia física. Não se preocupe, não estou em perigo!“, Ele continuou.

Famoso por sua viagem solo da Europa às Índias Ocidentais a bordo de um barco em forma de barril em 2019, Jean-Jacques Savin pretendia repetir a façanha do remo e se tornar “o reitor do atlantico“, “uma maneira de insultar a velhice“.

Este ex-piloto privado e curador de parques nacionais na África comemorou seu 75º aniversário em 14 de janeiro a bordo de sua canoa de oito metros de comprimento, 1,70 metros de largura e equipada com duas cabines e uma estação de remo. “Vou de férias para o mar aberto, vou tirar três meses de férias“, ele se divertiu pouco antes de sua partida.

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.