“A influência cultural da França não é um dado adquirido”

Nomeado Presidente do Institut français em 1 deer Julho de 2021, Eva Nguyen Binh, ex-embaixadora da França no Camboja, pretende dar um novo impulso a esta instituição que trabalha para promover a cultura francesa no exterior, ao comemorar seus 100 anose aniversário.

Qual é a sua visão da diplomacia cultural da França?

A influência da França não é um dado adquirido. É posta em causa, questionada, minada num certo número de países, particularmente em África. Ao mesmo tempo, essa política cultural é desejável. Conheço muitas pessoas, ministros de países estrangeiros que me dizem: “Mas como você faz isso, como você está organizado? »

Como essa desconfiança muda sua ação?

Estamos numa época de desafios, onde o Institut français, em todas as suas componentes e em todos os seus relés, deve estar extremamente aberto aos outros e falar com todos. Na história da nossa casa, houve momentos em que conversamos muito com autoridades e artistas locais. Hoje falamos com todos os componentes de uma sociedade, ou seja, também ONGs, empresários, representantes da sociedade civil, etc. O debate de ideias assume agora um lugar essencial. A prova disso é o ciclo de fóruns que estamos lançando na África em outubro [Notre Futur. Dialogues Afrique-Europe, dès le 7].

Como você aborda esse tipo de reunião?

A mudança de paradigma vem do fato de que não organizamos nada se não houver parceiros locais, se, localmente, nossos interlocutores acharem que não tem interesse. Não é mais uma abordagem vertical. Não impomos nada, pelo contrário, nos colocamos em co-construção. Isso me parece importante como orientação, porque irriga tudo o que vamos fazer, inclusive no campo artístico.

Como isso se manifesta no terreno?

Apoiaremos projetos liderados por galerias, incubadoras, empresas, associações. Mesmo que não carreguemos o projeto, mas estamos no acompanhamento. Se você quiser, deixamos a estrutura do projeto em si, florescer. Temos projetos como esse em Camarões, incentivados pelo Instituto Francês de lá. Quando propomos conceitos como A Noite das Ideias, Novembro Digital ou os Diálogos África-Europa, não é uma injunção, estamos em colaboração. Agora, hoje, A Noite das Ideias [créée en 2016], está em mais de cem países, e o Digital November, lançado em 2017, em setenta países. E o que importa para mim também são as questões sociais que são fortes em todos os lugares, e que considero que o Institut français não compreendeu totalmente.

Você tem 47,43% deste artigo para ler. O seguinte é apenas para assinantes.

Nicole Leitão

"Aficionado por viagens. Nerd da Internet. Estudante profissional. Comunicador. Amante de café. Organizador freelance. Aficionado orgulhoso de bacon."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.