“A grande tradição política francesa é autoritária”

Pascal Ory, eleito para a Academia Francesa em 2021, é Professor Emérito da Universidade de Paris-I (Panthéon-Sorbonne) e acaba de publicar Este lado escuro das pessoas (Livros, 959 páginas, 32 euros), obra que reúne principalmente os seus textos dedicados à soberania popular, ao fascismo, à colaboração, ao anarquismo de direita e ao “bom uso dos desastres”. Em entrevista em Mundoo autor de povo soberano (Gallimard, 2016) e O que é uma nação? (Gallimard, 2020) relembra as raízes históricas da “tropismo autoritário” Francês.

Ao renovar Emmanuel Macron como Presidente da República, os franceses elegeram um monarca republicano?

Durante a campanha eleitoral, notei uma ausência: a de uma reflexão sobre a anormalidade francesa. Vejamos os países vizinhos: todos vivem sob um sistema parlamentar básico, com poder executivo no governo. Somos o único país presidencial na Europa Ocidental. Este é o gênio específico das instituições de 1958, aprofundado pela eleição do chefe de Estado por sufrágio universal, a partir de 1965, e as reformas de 2000 (quinquênio) e 2002 (reversão do calendário eleitoral): uma “monarquia republicana” o descompasso entre a maioria parlamentar e o presidente, que é todo baseado em uma sociedade política bipolarizada, está se transformando em uma anomalia.

Acrescente a isso uma estrutura centralista, que nos distingue claramente do federalismo alemão, belga ou suíço. Em suma, a grande tradição política francesa é autoritária. Além disso, a falta de uma real reflexividade a esta peculiaridade nacional levanta questões sobre a quota de consentimento colectivo que surge neste estado de coisas: é sem dúvida elevada.

Leia também: Artigo reservado para nossos assinantes Eleição presidencial de 2017: “Uma data histórica na Quinta República”, diz Pascal Ory

Até que ponto nossa vida política ainda é marcada por essa tradição autoritária?

A grande revolução política da era moderna baseia-se na soberania popular – só que ninguém parece ter percebido que não há lugar para a liberdade nessa definição: a democracia que integra a liberdade em seus princípios é a democracia… liberal. Mas isso também significa que existem duas outras modalidades: a democracia autoritária, o jeito russo de Putin, e a democracia totalitária, o jeito chinês do povo.

A França permanece inegavelmente uma democracia liberal por meio de suas instituições, mas sua história testemunha um tropismo autoritário recorrente. Assim, na França, nasceu a democracia autoritária moderna, na pessoa de Napoleão Bonaparte, cuja Sra.mim de Staël sutilmente disse que ele era um… “Robespierre a cavalo” (ambos herdeiros da revolução e restaurador da monarquia). Foi também a França oitenta anos depois que inventou o primeiro movimento que pode ser retroativamente descrito como “populista” – a ser definido como a direita radical no estilo da esquerda radical – com o movimento boulangista: Boulanger, um oficial republicano marcado no esquerda, reuniu monarquistas e comunas em sua equipe.

Você ainda tem 64,23% deste artigo para ler. O seguinte é apenas para assinantes.

Chico Braga

"Web enthusiast. Communicator. Annoyingly humble beer ninja. Typical social media evangelist. alcohol aficionado"

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.