60 anos do BCEAO: os bancos centrais num mundo em mudança no centro do painel de encerramento

Um painel de alto nível concluiu o simpósio, organizado pelo Banco Central dos Estados da África Ocidental (BCEAO), na quinta-feira, 24 de novembro de 2022, como parte das comemorações do 60º aniversário do emissor. Presidido pelo Governador do BCEAO, Jean-Claude Kassi Brou, e pelos seus homólogos da Argélia, Portugal, Libéria, Ruanda e Tanzânia, o painel proporcionou a oportunidade de discutir as diferentes sessões em torno do tema principal: “os bancos centrais num mundo em mudança”.

O governador Jean-Claude Kassi Brou fará um balanço das oportunidades a explorar na abertura do painel e abordará a necessidade de “coordenação das políticas monetária e fiscal para” enfrentar as crises, a necessária integração da “transição climática no mandato dos bancos centrais “, o “reforço do sector das microfinanças”, a necessidade de “financiar a economia para um crescimento mais forte, mas também as oportunidades e desafios que a digitalização traz.

Sobre as lições aprendidas com o simpósio, Salah Eddine Taleb, governador do Banco Central da Argélia, destacou um “dilema” na condução da política monetária, principalmente no tocante às alavancas utilizadas para “combater a inflação sem fazer triunfar uma recessão”. Ele também aponta a necessidade de “confiabilidade dos dados”, condição “útil para a tomada de decisões”.

Em seu discurso, a vice-governadora do Banco Central de Ruanda, Soraya Hakuziyaremye, lembrou o papel principal dos bancos centrais na estabilidade de preços. Soraya Hakuziyaremye elogiou a qualidade do simpósio e as conclusões dele retiradas, mas, no entanto, sublinhou a necessidade de estreitar as relações com a população, comunicando “mais eficazmente” e promovendo a “literacia económica e financeira”.

Concluindo o conteúdo das trocas, que duraram várias voltas do relógio, o governador do Banco Central dos Estados da África Ocidental (BCEAO) identificou vários eixos importantes, em particular a importância de assegurar a estabilidade da política monetária e actuar de forma a promove a confiança dos investidores e depositantes. Ele também levantou a questão das estatísticas, sua qualidade e confiabilidade. “Não existe bom sistema monetário sem dados de qualidade”, dirá.

O outro desafio, referido no simpósio e apontado pelo governador do Banco Central dos Estados da África Ocidental, é a comunicação. Segundo Jean-Claude Kassi Brou, “é importante transmitir mensagens numa linguagem acessível”.

Mário Centeno, governador do Banco Central de Portugal, manifestou a sua admiração pelo exemplo de integração bem-sucedida representado pela União Económica e Monetária da África Ocidental (UEMOA). “60 anos em comparação com 20 anos na Europa significa que aprendemos muito com vocês”, disse ele, referindo-se à moeda única europeia.

Sublinhando o simpósio do 60º aniversário do BCEAO, as sessões centraram-se na política monetária e gestão de choques, estabilidade financeira, vulnerabilidades e riscos emergentes e digitalização e inclusão financeira: quais são as alavancas para uma maior utilização dos serviços financeiros? .

Machtar C.

Alberta Gonçalves

"Leitor. Praticante de álcool. Defensor do Twitter premiado. Pioneiro certificado do bacon. Aspirante a aficionado da TV. Ninja zumbi."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *