500.000 refugiados ucranianos fogem dos combates, a questão da recepção é politizada na França

Quase 500.000 ucranianos já fugiram das zonas de batalha para a União Europeia. Na França, a classe política como um todo pediu que os refugiados sejam acolhidos.

Quase 500.000 ucranianos chegaram à União Europeia desde que a invasão russa da Ucrânia começou em 24 de fevereiro, anunciou o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (HCR) na segunda-feira, incluindo quase 150.000 na Polônia. E se a crise continuar, pode acabar sendo ‘milhões’. Diante desse afluxo de pessoas, os ministros do Interior europeus votaram por uma “grande maioria” para conceder proteção temporária aos ucranianos que fogem de seu país.

Ylva Johansson, a Comissária Europeia responsável pelos Assuntos Internos, afirmou que a maioria dos ucranianos que chegam à Europa têm passaporte biométrico e podem, portanto, permanecer no território da União Europeia por 90 dias. Atualmente, a maioria dos ucranianos que aderiram à UE reside com familiares e poucos deles solicitaram asilo, enquanto até agora eles se encarregaram principalmente de países que abrigam uma grande população de ascendência ucraniana, como Polônia, Itália, Portugal, Espanha, Alemanha e República Checa.

Na França, alguns já estão prontos para receber os imigrantes ucranianos: “Em Lille, estamos prontos”, garantiu o prefeito da cidade, Martine Aubry, ao France Inter no sábado. “Vimos os lugares onde podemos acolher os ucranianos, os lugares que estarão disponíveis, como tínhamos feito para os afegãos”, acrescentou o eleito, referindo-se aos 250 lugares já disponíveis.

“Estou convencido de que muitos ucranianos receberão ucranianos em suas casas. Centenas de pessoas podem chegar à minha cidade e imagino que se todos fizerem o mesmo, seremos capazes de enfrentar o problema dos refugiados”, também conhecida como Martine Aubrey.

>> LEIA TAMBÉM – 6.000 ogivas nucleares, “Satanás 2”: o que contém o arsenal nuclear da Rússia, o maior do mundo?

‘Não tenho ligação com a Ucrânia, mas procuro uma forma de lutar’

“Com o meu parceiro temos uma casa grande, não temos mais filhos, estamos prontos para receber duas famílias de refugiados ucranianos”, acrescentou esta segunda-feira a RMC Bruno que vive em Lattes no Hérault. “Já contactei uma associação. Estamos muito emocionados com o meu parceiro, dizemos a nós próprios que podemos ser nós”, acrescenta, assegurando-se também de que encontra uma forma de começar a lutar.

“Não tenho nenhuma ligação com a Ucrânia, mas estou à procura de uma forma de lutar, o meu parceiro concorda”, assegura Bruno, admitindo ser “bastante egoísta” mas explica que a crise o faz lembrar “39 -45”.

Outros veem uma diferença de tratamento entre a recepção dos ucranianos e a dos sírios em particular, que começou há alguns anos e o início da guerra civil na Síria: “Quando eles eram sírios, não os queríamos. não é muçulmano, então está tudo bem”, ironicamente Jonathan, motorista de caminhão na Vendée, que acredita que há uma seleção de refugiados. “O homem não se limita a uma religião”.

“Eu não tenho um problema com isso em princípio, mas deixe esses professores darem o exemplo. Martine Aubry deveria receber alguns em sua casa”, brincou Christophe, outro ouvinte do RMC, por sua vez.

Segundo a ONU, 368.000 refugiados fugiram da Ucrânia e, eventualmente, pode haver 5 milhões. Na França, a questão do acolhimento de migrantes ucranianos foi incluída na campanha presidencial. Todos os candidatos, com uma exceção, expressaram apoio ao acolhimento dos ucranianos.

>> LEIA TAMBÉM – Guerra na Ucrânia: por que o presidente do Chelsea, Roman Abramovich, se aposentou de seu clube

Chico Braga

"Web enthusiast. Communicator. Annoyingly humble beer ninja. Typical social media evangelist. alcohol aficionado"

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.