3-1: Portugal, com minutos para Carvalho, impõe o seu talento à Turquia

O médio basco substituiu Bruno Fernandes aos 80 minutos e, em vez de diminuir, ajudou o marcador a crescer para os portugueses

Portugal, com mais talento do que jogo, derrotou a Turquia (2-1) nas meias-finais do play-off europeu para o Mundial do Qatar, esta quinta-feira, pelo que joga a final a 29 de março, no Porto, frente à Macedónia do Norte , que garantiu antes da surpresa ao bater a Itália por 0-1 na prorrogação, deixando os transalpinos, atuais campeões europeus, sem outra presença de alto nível.

O que parecia ser um jogo em quadra no intervalo por 2 a 0 a favor dos portugueses após gols de Otávio e Jota, ficou complicado para Portugal por 2 a 1 aos 64 minutos. Mesmo aos 83 minutos, o atacante do Lille, Yilmaz, poderia ter empatado se ele não tinha perdido um pênalti. Já com o Betis William Carvalho em campo, que substituiu Bruno Fernandes a dez minutos do fim, o jogo foi decidido aos 93 minutos por Matheus Nunes, após marcar o 3-1 final.

O melhor de Portugal, Diogo Jota e Otávio, enquanto Cristiano Ronaldo estava muito nebuloso e ‘caído’. Nos primeiros quinze minutos, Portugal foi um verdadeiro ciclone e teve várias oportunidades para furar a baliza turca. Foi aos 14 minutos que o português abriu o marcador graças a uma jogada entre Cristiano e Diogo Jota que Bernardo Silva afastou à entrada da área. A bola entrou na base do poste e o português nacionalizado brasileiro Otávio aproveitou o rebote e fez o primeiro gol do jogo.

No entanto, Portugal relaxou aos primeiros quinze minutos e os turcos apanharam algum oxigénio, alongaram-se e surgiram as primeiras oportunidades. Aos 20 minutos um erro de Danilo Pereira – hoje como defesa-central devido às ausências de Rúben Dias e Pepe – terminou com um remate solto a meio da baliza que pegou no guarda-redes Diogo Costa, hoje titular após a permanência de Rui Patrício o banco.

Dois minutos depois, um recém-chegado da Turquia, um cruzamento da direita e um cabeceamento do Galatasaray Kutlu acertou a pequena área no centro ao longo do poste. E, no dia 26, os problemas continuaram para ‘las quinas’, outra falta defensiva, agora de Dalot, que terminou com um remate à entrada da área do Feyenoord, Orkun Kokcu, fora do alcance do guarda-redes português.

A Turquia viveu mais da falta de ambição portuguesa do que do seu próprio futebol e a quatro minutos do final, excelente jogada da direita de Portugal com um cruzamento a meia distância de Otávio para o extremo do Liverpool Diogo Jota fazer o 2-0 após sensacional cabeceamento. Ao intervalo, Portugal tinha a meia-final em curso sob o delírio do público português que o Estádio do Dragão estava lotado.

Na segunda parte, o mesmo guião, domínio de Portugal e a primeira surgiu aos 47 minutos com remate do português “10”, Bernardo Silva, que acertou na base do poste, mas o guarda-redes do Trabzonspor, Cakir, fez um excelente intervenção. No entanto, quando tudo parecia estar nas mãos do português, uma excelente combinação chegou à entrada da área entre o extremo do Marselha (por empréstimo da Roma) Under e o avançado do Lille, Yilmaz, que marcou 2-1 aos 64 minutos.

Nos minutos seguintes, a Turquia insistiu na lentidão do golo e com Portugal um pouco mais conservador. Yilmaz tornou-se um perigo para a defesa portuguesa e aos 68 minutos os turcos até pediram pênalti após contato com Danilo na área, ainda que o atacante tivesse caído. A 20 minutos do fim, Fernando Santos contratou o fabricante de colchões João Félix para substituir o jogador mais avançado de Portugal, Diogo Jota.

Quatro minutos antes, o técnico alemão Stefan Kuntz trouxe o atacante do Getafe e segundo maior artilheiro (14 gols) da Liga espanhola, Enes Ünal, que substituiu Akturkoglu. Em 74, muito claro para Portugal. Guerreiro cutucou Otávio da esquerda para finalizar feliz na pequena área, ainda que a bola tenha saído longe do gol. O momento chave da partida, aos 80 minutos, quando José Fonte marcou um pênalti sobre Ünal, que inicialmente não foi marcado, embora o árbitro tenha marcado o pênalti máximo após avaliar o jogo.

Lançou em 83 Yilmaz, Diogo Jota sob varas, e a bola foi para as nuvens. Os adeptos portugueses respiraram no Porto e especialmente José Fonte quando viu o seu companheiro de equipa do Lille falhar o remate. Já na prorrogação, Ronaldo incompreensivelmente perdeu uma oportunidade na pequena área quando tudo o que ele tinha a fazer era empurrá-la. E quando ainda faltava um minuto, o ingüista esportivo Matheus Nunes decidiu a partida, ficou sozinho contra o goleiro turco e definiu cruzamento para o fundo das redes. Mesmo em 95, Cristiano tinha, mas seu chute, com o goleiro socado, bateu no travessão. Após cinco minutos de prolongamento, soa o apito final e Portugal apura-se para a final do “play-off”, que será disputada no mesmo Estádio do Dragão a 29 de março.

FICHA DE DADOS.-

Portugal: Diogo Costa, José Fonte, Raphael Guerreiro (Nuno Mendes 88′), Danilo Pereira, Diogo Dalot, Otavio (Rafael Leão 88′), João Moutinho (Matheus Nunes 88′), Bernardo Silva, Bruno Fernandes (William Carvalho 80′) ), Cristiano Ronaldo e Diogo Jota (João Félix 70′).

Peru: Cakir, Soyuncu, Kabak, Demiral, Akturkoglu (Enes Ünal 66′), Kutlu (Dursun 90′), Çelik (Yazici 80′), Kökcü (Tokoz 80′), Calhanoglu, Yilmaz y Under.

Juiz: Daniel Siebert (alemão). Ele admoestou Diogo Jota, Otávio e João Moutinho para Portugal; e os turcos Zeki Çelik, Calhanoglu e Demiral.

Gols: 1-0 (14′) Otávio; 2-0 (41′) Diogo Jota; 2-1 (64′) Yilmaz; 3-1 (93′) Mateus Nunes.

incidentes: Meia-final do play-off da fase de grupos da Europa de qualificação para o Mundial de 2022, no Qatar, disputada no Estádio do Dragão, no Porto.

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.